Inicio » Minas Gerais » MG – Ministério Público Estadual de Minas Gerais é obrigado a cortar despesas

MG – Ministério Público Estadual de Minas Gerais é obrigado a cortar despesas


Reviewed by:
Rating:
5
On 26 de janeiro de 2015
Last modified:26 de janeiro de 2015

Summary:

MG - Ministério Público Estadual de Minas Gerais é obrigado a cortar despesas

O atraso na aprovação da Lei Orçamentária Anual (LOA) no Estado de 2015 obrigará o Ministério Público Estadual (MPE) a cortar o máximo possível de despesas. O órgão anunciou haverão redução dos gastos de autorizações e pagamentos de diárias, convocações e horas-extras, serviço postal, impressão de documentos, aquisição de passagem aérea, contratação de serviços terceirizados e admissão de estagiários.
MG - Ministério Público Estadual de Minas Gerais é obrigado a cortar despesas
MG – Ministério Público Estadual de Minas Gerais é obrigado a cortar despesas

Conforme o órgão, as diretrizes e as regras para redução de gastos foram publicadas no Diário Oficial Eletrônico do MPMG no dia 14 de janeiro e republicadas no dia 17 do mesmo mês por meio da Resolução PGJ n.º 1, de 13 de janeiro de 2015.

O procurador-geral de Justiça adjunto administrativo, Mauro Flávio Ferreira Brandão, diz que a não aprovação da LOA acarreta o repasse à instituição em valores no patamar de 80% da proposta orçamentária no chamado grupo de custeio. “Precisamos nos adaptar a essa realidade e gastar aquilo que o nosso orçamento permite. Após a aprovação da LOA, vamos reavaliar a norma”, afirma.
Segundo Mauro Flávio, para janeiro, o corte de diárias deve ultrapassar os 80% do valor médio gasto mensalmente. Reformas e construções também ficarão suspensas neste início de ano, o que deverá resultar em uma economia de mais de 70% em relação à média que se gasta mensalmente para a estruturação de sedes próprias.
Outras medidas
Com a publicação da norma, a tramitação de processos de locação ficará suspensa até a efetiva publicação da LOA anual 2015. O MPMG encerrará também a cessão de servidores que acarrete ônus à instituição. As licenças para tratar de interesses particulares também estão vedadas, ressalvados casos excepcionais que não demandem a substituição de servidor. O pagamento de horas-extras também será autorizado apenas em casos excepcionais.
Outra medida que será adotada é a contenção de gastos com contratos de prestação de serviços terceirizados e com a contratação de estagiários. A jornada de trabalho para todos aqueles que já são bolsistas do MPMG passa para 20 horas semanais.
(* Com MPMG)

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).