Inicio » Minas Gerais » Belo Horizonte » MG – Inquérito policial pede prisão de ex-policial por participação na morte de Eliza Samudio

MG – Inquérito policial pede prisão de ex-policial por participação na morte de Eliza Samudio

Inquérito policial pede prisão de ex-policial por participação na morte de Eliza Samudio.

O assassinato de Eliza Samudio, executada em 2010 a mando do ex-goleiro Bruno Fernandes de Souza, ganhou mais um capítulo. Um inquérito policial remetido ao Ministério Público no 2º semestre de 2014 pede a prisão do ex-policial civil José Lauriano de Assis Filho, conhecido como “Zezé”. Conforme o documento, ele participou da trama que resultou na morte da ex-amante do atleta.
MG - Inquérito policial pede prisão de ex-policial por participação na morte de Eliza Samudio
MG – Inquérito policial pede prisão de ex-policial por participação na morte de Eliza Samudio

Segundo o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), somente após parecer favorável do MP o pedido será encaminhado à justiça, que irá acatar ou não a solicitação. Desde o início das investigações sobre o caso o nome de “Zezé” foi citado. Contudo, na época, o delegado responsável pelo inquérito informou que não havia provas suficientes para indiciar o ex-policial civil.

Porém, consta no processo que José Laureano foi a pessoa que apresentou Luiz Henrique Ferreira Romão, o “Macarrão”, a Marcos Aparecido dos Santos, o “Bola”. “Macarrão” era o braço-direito de Bruno e “Bola” foi condenado por executar o crime.
No depoimento prestado à polícia na fase do inquérito, o policial civil, à época empresário de um grupo de pagode, disse que conhecia “Macarrão” pelo fato de ele agenciar o grupo para festas realizadas pelo goleiro Bruno. “Zezé”, que conhecia “Bola” do meio policial, colocou o colega de profissão em contato com “Macarrão”, após um pedido de Marcos Aparecido para ajudá-lo a conseguir um teste de futebol para o filho dele.
O nome de Zezé também foi citado pelo ex-goleiro durante o julgamento. Bruno confessou que conheceu José Lauriano no final de 2009, por meio de “Macarrão” e que ele teria frequentado seu sítio por várias vezes.
Para pedir a prisão de José Lauriano, a polícia quebrou o sigilo telefônico de ex-policial civil, que mostrou intensa movimentação entre os envolvidos em junho de 2010, ocasião do assassinato de Eliza.
Entenda o caso
O goleiro Bruno Fernandes foi condenado no dia 8 de março de 2013 a 22 anos e três meses pelo homicídio e ocultação de cadáver de sua ex-amante Eliza Samudio e pelo sequestro e cárcere privado de seu filho, o “Bruninho”. Os crimes aconteceram em junho de 2010 e o atleta foi apontado como o mandante.
Além dele, outros réus envolvidos no crime foram julgados. O ex-braço direito de Bruno, Luiz Henrique Ferreira Romão, o “Macarrão”, foi condenado a 15 anos prisão por homicídio, sequestro e cárcere privado de Eliza Samudio. Já da acusação de ocultação de cadáver o réu foi absolvido.
Já a ex-namorada do goleiro, Fernanda Gomes de Souza foi condenada a cinco anos de prisão em regime aberto pelo crime de sequestro e cárcere privado de Eliza, enquanto a ex-mulher de Bruno, Dayanne Rodrigues, foi absolvida das acusações de sequestro de “Bruninho”.
O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o “Bola”, foi condenado por homicídio e ocultação de cadáver. Além dele, também foram julgados o caseiro Elenilson Vitor da Silva e o motorista do atleta na época, Wemerson Marques de Souza, o “Coxinha”.
------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Montes Claros – Confira os destaques policiais das últimas 24h

Montes Claros – Confira os destaques policiais das últimas 24h

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 7 de dezembro de 2016.Montes Claros – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).