Inicio » Nacional » Brasil – “Não podemos mais ver policiais sendo assassinados”, diz governador do Rio de Janeiro

Brasil – “Não podemos mais ver policiais sendo assassinados”, diz governador do Rio de Janeiro

Brasil – “Não podemos mais ver policiais sendo assassinados”, diz governador do Rio de Janeiro.

Brasil - "Não podemos mais ver policiais sendo assassinados", diz governador do Rio de Janeiro
Brasil – “Não podemos mais ver policiais sendo assassinados”, diz governador do Rio de Janeiro

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), lamentou profundamente nesta segunda-feira (23) a morte de três policiais militares, além de um policial civil, no último final da semana, na zona metropolitana do Rio e afirmou que “não podemos mais ver policiais sendo assassinados”.

Ao sair do encontro com membros do Comitê Olímpico Internacional (COI), na sexta visita da comitiva a cidade sede dos Jogos de 2016, num hotel em Copacabana, Pezão voltou a criticar o sistema judiciário brasileiro que, em sua opinião, não pune com o rigor devido os criminosos – a exemplo do que repete costumeiramente o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame.

“Nós temos que ter penas duras que desestimulem uma pessoa a atirar no policial. Eu vou me empenhar cada vez mais dentro do congresso”, explicou o governador, antes de completar. “Tivemos um avanço porque a Polícia Federal Rodoviária contratou mais policiais. Temos um policiamento maior na fronteiras. Nunca se prendeu tanto. Estamos reduzindo alguns índices. Mas não podemos ver policiais sendo assassinados e não poder punir esses marginais”.

Neste último domingo (22), de folga, o policial Alan Barros da Silva, do Batalhão de Policiamento em Grandes Eventos (BPGE) foi morto numa tentativa de assalto na praia dos Amores – Recreio dos Bandeirantes. Alvejado por tiros, ele chegou a ser resgatado para o hospital Lourenço Jorge, mas não resistiu aos ferimentos.

O mesmo ocorreu na madrugada de domingo com o policial civil Thiago Thome de Deus, assassinado no bairro do Cubango, em Niterói, quando voltava do desfile das escolas de samba campeãs do Carnaval carioca – ele chegou a ser levado para o Hospital Estadual Azevedo Lima, no Fonseca, mas veio a falecer.

No sábado, três policiais militares, todos fora do serviço, foram surpreendidos por bandidos ao deixarem uma padaria em Nova Iguaçu. Dois deles foram baleados e, neste episódio, o soldado Pedro Gabriel Ferreira não resistiu aos ferimentos e morreu no Hospital Geral de Nova Iguaçu.

Por fim, no município de Mesquita, também na Baixada Fluminense, o policia civil Cid Jackson da Silva foi morto a tiros numa tentativa de assalto em que teria sido reconhecido como policial. “Eu conversei com o (secretário de Segurança Pública, José Mariano) Beltrame e com o (comandante da PM, tenente-coronel) Pinheiro Neto. Vamos contratar mais policiais. Só tenho a lamentar. Eu sou contra a violência contra qualquer cidadão”, disse ainda Pezão.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

VLI abre vagas para programa Jovem Aprendiz em Montes Claros

VLI abre vagas para programa Jovem Aprendiz em Montes Claros

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 8 de dezembro de 2016.VLI abre vagas …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).