Inicio » Colunistas » Adilson Cardoso » Coluna – O ultimo cliente da noite

Coluna – O ultimo cliente da noite

Coluna – O ultimo cliente da noite

Seu nome era difícil de pronunciar, Aderbaclayfsson, mas ele não se importava, preferia ser o único com o privilégio da chacota a ouvir alguém lhe chamando de “chará” dono do taxi que tinha o melhor sistema de som daquela praça. Alguns clientes esperavam em filas para terem o prazer da viagem pelo espaço até suas moradias e também pelo tempo da história da musica: Strauss, Vivaldi, Mozart, Beethoven. The Doors, Jimi Hendrix, Janis Joplin, Led Zeppelin, The Clash, Emerson Lake y Palmer e muitas reliquias de Bee Gees, Beatles e Rolling Stones. Na cidade era conhecido pela “harmonia” sua fala suave e seus dedos delgados como maestro de orquestra. Naquele dia seu compromisso para jantar estava todo  planejado, comeria:  arroz ao molho branco  e macarrão penne e filé mignon ao molho de mostarda. Macarrão sempre vai bem com um bom molho de queijos, pensava ao listar as delicias. Misturar um hortelã pode ser uma boa para deixar o hálito melhor, assim estava completa a partitura da noite, onde tocariam apenas seus pedidos intrínsecos. E para acompanhar um “Goulart T Torrontés” em taças importadas da França de Luiz XV. Seu relógio rolex dos anos 40 por baixo da manga longa do casaco indicava, 23h36m os cabelos penteados “a Clark Kent” foram mais uma vez acariciados pelas mãos e um perfume Kaiak selvagem borrifado no pescoço, era hora de ir. Apenas o Pedro disse boa noite, já que os com  outros não  falava por culpas das disputas  que às vezes perdiam, nos pensamentos desejavam má sorte, que um pneu estourasse ou uma bala perdida de fuzil lhe vazasse o crânio. Seguiu Aderbaclayfsson, que pedia para ser tratado como “Son” vidros baixos, velocidade moderada e “Four Seanson” de Vivaldi a meia altura. Seus olhos penetravam a via e as luzes coloriam os cabelos das pessoas, um grupo de estudantes cantava  abraçado carregando um litro de bebida destilada, uma garota entre eles tinha  a blusa aberta e mostrava os seios sem pudores, era grandes e flácidos, ela parecia embriagada, poucas pessoas notavam o topless gratuito, já que procuravam desviarem  da balburdia, atravessaram um semáforo aberto sem se preocuparem com o carro dos bombeiros que pedia passagem com a sirene aberta. Sob buzinas intermitentes seguiram naquele alerta avisando que precisavam passar, Vivaldi já repetia as ultimas notas para finalizar a canção quando uma moto em alta velocidade cruzou a frente do taxi, nervoso o garupa desceu e empunhou o revolver em plena via onde pessoas do outro lado presenciavam atordoadas aquela cena dantesca da modernidade. Desejou que o carro fosse blindado, queria sair dali a qualquer custo, mas os olhos do bandido brilhavam malévolos sob a viseira do capacete junto da porta do motorista que se abriu com truculência, Son foi arrastado para fora com se fosse um boneco a ser queimado em dia de Judas, não adiantou pedir que deixassem levar a ultima coleção de Bach que estava sob o painel, mas nem as flores que carregava no banco de traz para o seu grande encontro foi possivel. O bandido tinha pressa, talvez tivesse um encontro como ele havia planejado, mas antes de sair sem motivo algum mirou a arma na direção de Aderbaclayfsson que estava de costas com as mãos desesperadas na cabeça a bala entrou com força e atravessou o coração que também estava acelerado feito aquele carro que saiu em disparada. Só depois que aquele homem e seus planos para a noite caíram no chão feito um boneco espancado em dia de Judas é que pessoas se aglomeraram em busca dos melhores ângulos para as fotos das redes sociais. O carro de Bombeiros que voltava da ocorrência de minutos atrás, chegou por ali com a sirene ainda ligada e alumiando as pupilas para constatar que nada mais poderia ser feito. Longe dali o bandido que não tinha mais aqueles olhos de fogo, sentava ao lado da namorada que aguardava ansiosa sua chegada, o restaurante tinha luz baixa e o pianista fazia uma homenagem a Antonio Vivaldi, antes de iniciar a apresentação deu boa noite a todos e parabenizou aos casais pela noite dos namorados. Ao lado uma senhora de vestido longo e uma flor no cabelo, pediu que o vinho Goulart T Torrontés fosse aberto e que viessem as taças, provavelmente seu marido atrasaria um pouco mais, certamente estaria conduzindo o ultimo cliente da noite.

Por Adilson Cardoso

Adilson Cardoso
Adilson Cardoso
------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).