Inicio » Mais Seções » Entretenimento » Cinema – Para sempre Alice, com a premiada Julianne Moore, chega aos cinemas

Cinema – Para sempre Alice, com a premiada Julianne Moore, chega aos cinemas

Aos 54 anos, uma idade em que muitas atrizes reclamam da falta de oportunidades para personagens dessa faixa etária, Julianne Moore prova que suor, talento e ousadia são as melhores armas para se construir uma carreira sólida e duradoura. Em menos de 15 dias, os espectadores brasileiros vão assistir a nada menos do que três longas-metragens estrelados por ela.

Julianne Moore
Julianne Moore

Dois já estreiam nesta quinta-feira (12/03): no drama Para sempre Alice, pelo qual ganhou o Oscar de Melhor Atriz, ela interpreta uma vítima do mal de Alzheimer; e em O sétimo filho, um filme de aventuras em 3D, Julianne interpreta uma bruxa poderosíssima.

O outro é o esperado Mapas para as estrelas, de David Cronenberg, que estreia na primeira semana de abril. Neste filme desafiador, ela faz uma atriz hollywoodiana da pior estirpe. Em Cannes, a cineasta neozelandesa Jane Campion, que presidia o júri, não teve dúvidas ao premiá-la como a Melhor Atriz do festival do ano passado.

Para sempre Alice coroa a carreira de Julianne Moore em seu ponto mais zenital. Se não fosse por ela, o filme certamente teria sido relegado à TV por assinatura ou mesmo não teria saído do papel. Afinal só uma atriz com sua força e sensibilidade para alavancar um filme sobre um tema a que a maioria das pessoas prefere fechar os olhos.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

É justamente nesse aspecto, em como transformar uma tragédia a olhos vistos – a contínua perda da memória de um ser humano – em algo que cativa e emociona o espectador, sem apelar para golpes baixos, que faz de Para sempre Alice um filme digno de ser assistido.

Adaptado do romance homônimo de Lisa Genova, uma escritora especialista em mal de Alzheimer, o filme mostra como a professora Alice Howland (Julianne), do Departamento de Linguística da Universidade de Harvard, lida com a doença desde seus primeiros sintomas até um estágio de total afasia e perda de memória. Ao contrário de muitos filmes sobre doenças, Para sempre Alice se sustenta a partir de um equilíbrio entre o que o ciência tem a dizer sobre o mal de Alzheimer e o cotidiano da personagem.

Vítima precoce da doença, a professora vive um momento privilegiado da carreira. Além de ser uma palestrante gabaritada, ela vive bem com o marido John (Alec Baldwin) e os filhos – Anna (Kate Bosworth), que está grávida, Charlie (Shane McRae) e Lydia (Kristen Stewart), que saiu de casa para tentar a carreira de atriz.

É interessante como os diretores Richard Glazer e Wash Westmoreland filmam sua primeira consulta. Num longo plano, sem corte para o médico, Julianne já merecia o Oscar. A partir daí percebemos como a trajetória dela será interrompida em pleno voo.

Também autora do roteiro, a dupla é bastante feliz na maneira sutil como utiliza a estética do cinema para mostrar o efeito da doença sobre Alice. Na primeira vez em que ela se perde no câmpus da universidade, eles simplesmente reduzem a profundidade de foco das lentes. Outras técnicas mais ousadas para esse tipo de narrativa são utilizadas, uma delas digna de filme de suspense. Com criatividade os diretores driblam a tragédia e privilegiam a luta sem fim de Alice.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).