Inicio » Colunistas » Júlio Cesar Cardoso » Coluna – Intervenção para restabelecer a ordem pública

Coluna – Intervenção para restabelecer a ordem pública


Reviewed by:
Rating:
5
On 22 de março de 2015
Last modified:23 de março de 2015

Summary:

Coluna - Intervenção para restabelecer a ordem pública

Dileta Corrêa Silva representa a União Patriótica de Santa Catarina e é a favor da intervenção militar. Leiam a sua posição: “O regime militar era ruim? Sim! Ruim para vagabundos, marginais e assaltantes! Ruim para assassinos, que quando matavam iam para a cadeia sem direito a “direitos humanos”!” Ruim para comunistas e anarquistas que iam para rua para vandalizar! Ruim para políticos corruptos e comunistas que roubavam! Hoje nas escolas e faculdades ensinam que os militares eram cruéis, ditadores e torturadores! E eram mesmo! Só que não ensinavam que isso era só para bandido, estupradores e políticos corruptos! Pois para trabalhadores e estudantes nunca existiu essa “ditadura”! E sim um país com Ordem e Progresso! Avante Patriotas!”

Posicionamento lúcido de Dileta Correa. O Brasil, onde o ex-presidente Lula da Silva paralelamente governa e desafia a democracia ameaçando o país com o “exército” dos sem-terra, precisa de uma urgente intervenção para restabelecer a ordem púbica, aliás, como prevê o Art. 142 da Constituição Federal.

Ainda há pouco uma invasão do exército de mulheres campesinas de rosto tapado, foices e paus nas mãos destruíram mudas de eucalipto fruto de décadas de pesquisas científicas, destinadas ao reflorestamento e produção de papel, para evitar desmatamentos como ocorrem na Floresta Amazônica e Mata Atlântica. Esse é o exército democrático,  defendido por Lula e Dilma, integrante da babel em que está conflagrado o país, com o MST desrespeitando as instituições e causando balbúrdia nas cidades.

Com o maior escândalo de corrupção política – que destruiu os alicerces da estatal Petrobras, de onde o dinheiro ilícito jorrou para o bolso de espertalhões políticos e para as campanhas de partidos – envolvendo os dois presidentes das casas legislativas federais, significativa parcela de parlamentares e a chefe do Executivo, por tudo isso, a quem apelar para que seja posto um ponto final nessa imoralidade? Esperar por mais 4 anos? O impeachment seria o caminho e há condição para isso, mas os políticos corruptos continuariam.

Muitos imberbes que só ouviram falar da intervenção militar não sabem de fato o que aconteceu naquela época no país. Outros, de mais idades, que não se envolveram com a subversão (política) de arruaceiros comunistas e anarquistas, não têm do que se queixar, pois não foram perseguidos por militares. Ao contrário, no período militar o Brasil experimentou desenvolvimento, e a sociedade pacífica e apolítica viveu familiarmente em paz. Havia segurança pública (para todos) garantindo a ida e vinda de cidadãos nas ruas, nos trabalhos, nas escolas, nas praças públicas etc., e as casas, comércio e rede bancária não eram diuturnamente importunados por bandidos. A bandidagem respeitava a polícia. As casas, os edifícios e as igrejas não eram gradeados. As crianças transitavam nas ruas sem serem molestadas. O país transmitia segurança àqueles que não tinham dívida subversiva contra os militares.

Natura

///////////////////////////

.

As forças políticas que imperam por aqui estão todas com o rabo preso e não têm democraticamente condição de reverter o atual quadro generalizado de corrupção política. Ninguém de sã consciência é a favor de governo militar.

Assim, demonstram ingenuidade e ranço contra uma intervenção aqueles que defendem o status quo da imoralidade em que se encontra atolado o país. A intervenção seria apenas para botar a casa em ordem por um período necessário e depois devolveria a nação saneada para sociedade exercer a sua democracia.

Natura

///////////////////////////

.

Deveria ser fechado o Congresso e marcado eleição para novos candidatos com ficha limpa e que tivessem instrução mínima de curso médio. Deveriam ser substituídos todos os ministros do STF por outros não mais indicados pelo Executivo e que jamais tivessem exercido mandato político, prestado serviço advocatício a político ou partido politico e não registrassem filiação partidária. Deveria ser realizada uma ampla reforma política com adoção do VOTO DISTRITAL PURO e candidatura avulsa sem vinculação partidária. Deveria ser imediatamente resolvida a questão dos sem-terra e proibidas as suas manifestações violentas contra a sociedade e entidades científicas. E assim, muitas outras providências poderiam ser tomadas para moralização do país.

Júlio César Cardoso

Bacharel em Direito e servidor federal aposentado

Balneário Camboriú-SC

Júlio César Cardoso
Júlio César Cardoso

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).