Inicio » Norte de Minas » Norte de Minas – Policia Federal sequestrou r$ 3 bilhões de corruptos em operações no Norte de Minas

Norte de Minas – Policia Federal sequestrou r$ 3 bilhões de corruptos em operações no Norte de Minas

Norte de Minas – Policia Federal sequestrou r$ 3 bilhões de corruptos em operações no Norte de Minas

Norte de Minas - Policia Federal sequestrou r$ 3 bilhões de corruptos em operações no Norte de Minas
Norte de Minas – Policia Federal sequestrou r$ 3 bilhões de corruptos em operações no Norte de Minas

As operações de combate a corrupção no Norte de Minas levaram a Policia Federal e o Ministério Público a sequestrarem e bloquearem aproximadamente R$ 3 bilhões de patrimônio de pessoas envolvidas em desvios de recursos públicos, conforme relatório apresentado pelo delegado Marcelo Eduardo Freitas, chefe da Delegacia da Policia Federal, segunda-feira a noite, durante a reunião em Montes Claros, organizada pela Maçonaria em defesa da PEC 412, que propõe mais autonomia funcional e financeira para a corporação. Ele mostrou que foram confiscados bens estimados em R$ 1 bilhão.

O evento realizado na Loja Maçônica União, Paz e Justiça foi uma iniciativa da Coordenadoria Regional da Congregação do Grande Oriente do Brasil e no final foi apresentado o Manifesto em Defesa da PEC 412. O coordenador do evento, Olimpio Antônio Maia Abreu anunciou que o manifesto será repassado ao Grão-Mestre para ser uma iniciativa de toda maçonaria brasileira e cobrado o posicionamento dos deputados federais e senadores. O venerável Marcelo Stelling, da loja União, Paz e Justiça lamentou que no Brasil a lei mais colocada em prática seja a “Lei de Gerson”, onde todos querem levar vantagem.

A demora na aprovação da PEC 412, segundo Olimpio Antônio Maia Abreu, é por que os políticos não querem o fortalecimento e autonomia da Policia Federal, por causa dos casos de corrupção envolvendo a classe política. Desde setembro de 2009 que a PEC 412 foi apresentada no Congresso Nacional, mas ainda tramita em Comissões Técnicas.

A corrupção é um dos maiores males do Brasil, segundo o delegado Marcelo Eduardo Freitas, pois aproximadamente R$ 1 trilhão deixaram de ser aplicados em beneficio da população e faz tremer o cidadão de bem.
A corrupção é um dos maiores males do Brasil, segundo o delegado Marcelo Eduardo Freitas, pois aproximadamente R$ 1 trilhão deixaram de ser aplicados em beneficio da população e faz tremer o cidadão de bem.

A corrupção é um dos maiores males do Brasil, segundo o delegado Marcelo Eduardo Freitas, pois aproximadamente R$ 1 trilhão deixaram de ser aplicados em beneficio da população e faz tremer o cidadão de bem. Ele salienta que a Policia Federal em Montes Claros decidiu por fim ao sigilo e segredo de todos casos de corrupção que tem investigado, como forma da população tomar conhecimento. É o mesmo método que está sendo aplicado na Operação Lava Jato, de corrupção na Petrobras.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

.

Na concepção do delegado, acabar com a corrupção somente quando todos se conscientizarem que devem ser honestos, pois faz parte da cultura brasileira de sempre querer levar vantagem em tudo, na conhecida “Lei de Gerson”. O delegado Marcelo Eduardo acredita que a mobilização atual da população levará a classe política a criar um novo cenário no país, para inibir os casos de corrupção e com isto, está a aprovação da PEC 412. Ele mostra que dos atuais presos no Brasil, apenas 0,14% são de corruptos, quando na verdade é o crime que mais incomoda a população.

A falta de autonomia da Policia Federal, segundo ele, acaba deixando a corporação refém do Estado, pois precisa solicitar diárias e outras despesas para as operações policiais e com isto, antecipa os atos contra corruptos. São 123 Delegacias da Policia Federal para todo Brasil e sua estimativa é que no máximo em setembro acabarão os recursos para as ações policiais, pois se antes a corporação atuava com 1/12 avos do orçamento, agora são 1/16 avos. Aliado a isso tem o contigenciamento e cortes orçamentários que comprometem ainda mais.

O procurador André Vasconcelos, que participou do evento, anunciou que apesar da instituição não se manifestar abertamente em defesa da PEC 412, este apoio é de quase todos procuradores, pois existe necessidade de maior autonomia das instituições, impedindo que fiquem sob controle de ministros ou secretários estaduais com vinculação política.

O presidente da 11ª Sub-Secção da OAB em Montes Claros, Álvaro Guilherme Ribeiro, entende que o combate a corrupção passa por educar a população e especificamente a nova geração. Ele alerta que a não aprovação da PEC 412 pode ser uma armadilha, pois inibirá as ações da Policia Federal. O presidente anunciou o apoio da OAB em defesa da PEC 412 e acredita que sua aprovação tem de ocorrer neste momento que a população está nas ruas.

Por Gissele Niza

PUBLICIDADE

///////////////////////////

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).