Inicio » Colunistas » Júlio Cesar Cardoso » Coluna – Uso de explosivo em terminais bancários

Coluna – Uso de explosivo em terminais bancários

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou proposta que aumenta a pena pelo uso de explosivos no furto qualificado. A ideia é coibir as explosões de caixas automáticos em bancos. A matéria deve ser votada ainda pelo Senado.

A pena atual para o furto simples é de reclusão de 1 a 4 anos e multa. O texto aprovado em Plenário (uma emenda ao Projeto de Lei 3481/12) eleva essa pena para 3 a 8 anos de reclusão em caso de uso de explosivos. O autor do projeto original é o deputado Alexandre Leite (DEM-SP). Fonte: Agência Câmara Notícias

O Congresso Nacional tem que racionalizar os seus trabalhos relativos à propositura de matérias da mesma natureza nas duas Casas. Antes de um deputado ou senador propor um projeto deveria pesquisar na memória eletrônica do Congresso se o tema já foi objeto de proposta.

Em havendo, o parlamentar poderia, na sua Casa Legislativa, avocar o projeto e reapresentá-lo com os acréscimos ou modificações necessários.  Essa medida visaria a que matérias semelhantes, no Legislativo Federal, ficassem vinculadas a um só projeto, para facilitar o exame e enxugar a dispersão de assuntos correlatos.

Por exemplo, o Projeto de Lei 3481/12, que aumenta de 2/3 a pena pelo uso de explosivos no furto qualificado, é bastante semelhante ao PLS 1/2015, do senador Ciro Nogueira, que prevê que a pena de reclusão passe a ser de 3 a 8 anos se o furto de dinheiro em caixa eletrônico se der “mediante o uso de explosivo ou outro meio que cause perigo comum”.

Medidas preventivas poderiam ser adotadas, como aumentar a segurança para evitar a ação delituosa dos bandidos. Mas isso no Brasil se torna quase impossível, pois os governos federal e estadual não investem substantivamente em segurança, razão por que temos hoje um sistema de segurança público desaparelhado e sem infraestrutura em todo o território nacional.

O aumento da punibilidade é necessário para tentar inibir a desenvoltura desses crimes, não obstante saibamos que nem a pena capital ou perpétua seriam pazes de acabar com a criminalidade.

Só que o uso de explosivo em furtos nos terminais de caixas eletrônicos da rede bancária é muito grave e deveria ser comparado a atos de terrorismo e a crimes hediondos, porque põe em risco a vida, a integridade física de cidadãos e de prédios da circunvizinhança. Nesses casos, a elevação da pena aprovada pela Câmara Federal foi muito leve e deveria oscilar até a pena máxima de 30 anos, prevista no Código Penal. Ou, então, que se repensasse na instituição da prisão perpétua para os autores de crime dessa gravidade, a despeito do impedimento constitucional. Mas cláusula pétrea é uma ficção jurídica discutível e que não é unanimidade no meio jurídico. Assim, já está na hora também de se rever essa matéria da prisão perpétua no país.

Júlio César Cardoso

Bacharel em Direito e servidor federal aposentado

Balneário Camboriú-SC

Júlio César Cardoso
Júlio César Cardoso
------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Jerusia Arruda

Coluna da Jerusia Arruda – Direto de Brasília

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 5 de dezembro de 2016.Coluna da Jerusia …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).