Inicio » Colunistas » Júlio Cesar Cardoso » Coluna – Deus salve o Brasil

Coluna – Deus salve o Brasil

 Coluna – Deus salve o Brasil

Há políticos que não têm senso de ridículo e gostam de tirar proveito de um cenário propício. Por exemplo, o deputado Sibá Machado (PT-AC) – ao adentrar no recinto da CPI da Petrobras, de semblante sisudo e escoltando o tesoureiro Vaccari Neto – mais parecia um soldado sem farda contratado para proteger o tesoureiro. Coisa de louco! Bizarrice pura na Casa do Povo.

Deus salve a América! E eu diria: Deus salve o Brasil da pouca-vergonha de nossos políticos, principalmente os do PT.

Vejamos agora a deputada Maria do Rosário (PT-RS), que faz do Parlamento cabide de emprego e que costuma interromper o mandato para exercer cargo no governo, traindo o seu eleitor. Em vez de participar da CPI da Petrobras como soldado da patrulha ideológica petista, para defender membros corruptos de seu partido, a deputada deveria prestar melhor serviço ao país retornando à sua profissão originária de professora.

É uma vergonha a forma de desequilíbrio emocional – beirando mesmo a fronteira do faniquito – com que a deputada se comporta, ela e a claque petista, no ambiente da CPI.

A deputada e seus correligionários não admitem a existência de bandidos corruptos no PT, desde os tesoureiros parlapatões Delúbio Soares e Vacari Netto até parlamentares do partido e as gestões Lula e Dilma Rousseff. Para o grupo de Maria do Rosário, tudo o que houve, por exemplo, no propinopetrolão, foi armação da oposição, foi maquinação da burguesia branca despeitada por ter perdido a eleição à presidência da República.

A dilapidação do patrimônio da Petrobras nunca existiu. A Petrobras é hoje uma empresa sólida, com suas ações na Bolsa supervalorizadas, e a estatal não sofre nenhuma medida jurídica no exterior de acionistas estrangeiros lesados, não é mesmo?

É muita coincidência que novamente um tesoureiro do PT esteja envolvido em corrupção. O filme parece o mesmo. Durante o processo do mensalão, o PT usou o mesmo mantra da velha mentira para negar de pés juntos que as doações, ou dinheiro do caixa dois, eram legais e que tudo foi registrado no Tribunal Eleitoral. Mas o STF, embora com a maioria de ministros indicada pelo PT, não entendeu assim e declarou no processo a existência de uma quadrilha, decidindo por sua condenação ao xilindró. Ou o grupo da deputada Maria do Rosário se esqueceu do mensalão?

Para a sociedade apolítica e contributiva, seja de que partido for o político ou partidário envolvido em falcatrua, o que interessa é ver – após o devido processo legal de culpabilidade – o espertalhão corrupto expiando a sua pena na cadeia.

Assim, não se entende por que o grupo de Maria do Rosário põe tanto obstáculo para proteger indecorosos cidadãos, que assaltam o Erário e denigrem a imagem da nação.

Júlio César Cardoso
Bacharel em Direito e servidor federal aposentado
Balneário Camboriú-SC

Júlio César Cardoso
Júlio César Cardoso

PUBLICIDADE

///////////////////////////

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).