Inicio » Mais Seções » Tecnologia » Apple adiciona emoticons para agradar a todos

Apple adiciona emoticons para agradar a todos

Abaixo-assinado de internautas funcionou. Agora há carinhas de asiáticos, negros, latinos e casais gays.

Grupos beneficiados comemoram o fato de se sentirem representados
Grupos beneficiados comemoram o fato de se sentirem representados

Tá feliz? Tá triste? Tá com sono? Os emojis, aqueles “bonequinhos” que demonstram emoções e são cada vez mais utilizados nas conversas nas redes sociais e no WhatsApp, vêm tendo sua importância simbólica cada vez mais reconhecida. E após receber várias críticas dos usuários norte-americanos sobre a falta de representação de minorias em seu “banco de carinhas”, com direito a abaixo-assinado capitaneado pela cantora Miley Cyrus, a empresa Apple lançou, na última quarta-feira (8), a versão iOS 8.3 de seu sistema operacional para iPhone, iPad e iPod Touch, trazendo 300 novos emojis representando negros, asiáticos, latinos e casais homossexuais, entre outros ícones.

“São recursos que chegam para somar, acrescentar algo a nosso arsenal de comunicação. Considero essa mudança interessante, porque amplia a possibilidade de se mostrar às pessoas em sua diversidade, de ter várias formas de expressão do ser humano”, analisa o psicólogo clínico Igor Lins Lemos, que é pesquisador sobre dependências tecnológicas.

Ele destaca que, embora alguns grupos se sintam mal representados, afirmando que certas imagens tendem a criar estereótipos (ao utilizar, por exemplo, uma dançarina de vestido vermelho para simbolizar uma mulher latina), as “carinhas” teriam uma função positiva, ajudando a estabelecer a empatia, a emoção da conversa.

“Há pesquisas comparando as reações das pessoas que receberam mensagens com e sem emoticons, e o grupo que se comunicou só por texto teve um resultado mais pobre do que aquele que utilizou figuras. Quando você escreve bom dia e coloca uma carinha sorrindo, quem recebe tem a tendência de reconhecer internamente a expressão da felicidade”, explica. Especialista em cybercultura, o professor do curso de comunicação da UFPE, André Vouga, é outro defensor da novidade. “Ela traz uma pluralidade interessante”, avalia, para na sequência afirmar que esse aumento de diversidade seria mais amplo e democrático se o sistema da Apple não fosse tão fechado. “Em outros sistemas, como o Android, cada usuário ou comunidade tem a liberdade de produzir a sua própria imagem, a forma que deseja utilizar para ser representado”, pontua.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

.

MARKETING

Representantes dos grupos “beneficiados” pela novidade elogiam a iniciativa, mas entendem-na como ação de marketing. “É uma jogada inteligente para agradar aos consumidores e, com isso, tentar vender mais os produtos da marca”, resume o ativista LGBT Jair Brandão, que coordena a organização não-governamental Gestos – Soropositividade, Comunicação e Gênero. “Claro que é muito importante que uma empresa tenha a preocupação de incluir a todos, respeitando as diversas identidades sexuais e etnias. Mas o fato é que a inclusão vai além disso. Vivemos num sistema capitalista, onde quem tem um iPhone 4, quer comprar o 5, o 6, quase como se fosse uma mania. Seria bom que a Apple pensasse também em criar preços inclusivos”, provoca.

Já o sociólogo e servidor público Eduardo Oliveira, militante histórico do Movimento Negro, diz que trabalhar com a diversidade deveria ser o ponto de partida de qualquer empresa, mas que isso não é o usual. “Citar os novos emojis talvez até pareça algo simples demais, mas não é. Seria maravilhoso que isso não tivesse sido gerado por pressão, por uma demanda da sociedade. Acho que é uma ação no campo simbólico que pode trazer muitas reflexões, especialmente para o Brasil, um País extremamente diversificado e onde a questão do fenótipo sempre foi muito forte. Se você não usa esse recurso para agir positivamente, fica muito difícil agir para mudar nosso imaginário. Nós somos ainda o país da televisão sueca, onde não é normal entrar num hospital e ver um médico negro. Por isso, infelizmente, essas pequenas ações de caráter simbólico são muito mais importantes do que deveriam ser”, comenta.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

.

DECEPÇÃO
Usuário de iPad e MacBook, Eduardo baixou o novo sistema operacional no dia em que a nova atualização foi disponibilizada no Brasil. “Me atraí inicialmente pela possibilidade de ter o sistema em português”, confessa. “Depois, me disseram que tinha essa gama de tons de pele nos bonequinhos, mas eu fui procurar e não achei. Fiquei meio decepcionado, e imagino se essa mudança não faz parte do pacote destinado ao Brasil. Embora as multinacionais tenham políticas de diversidade em seus países de origem, quem faz a Apple no Brasil são os brasileiros, e aqui se acha que não é necessário tratar disso seriamente, que vivemos num paraíso racial”, critica.

De acordo com a empresa, as mudanças vão ser lançadas de forma gradual entre os usuários, o que pode fazer com que alguns consigam ter acesso às novidades antes dos outros.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).