Inicio » Norte de Minas » Norte de Minas – Comunidades tradicionais e povos indígenas se reúnem em Pirapora

Norte de Minas – Comunidades tradicionais e povos indígenas se reúnem em Pirapora

Norte de Minas – Comunidades tradicionais e povos indígenas se reúnem em Pirapora

Norte de Minas - Comunidades tradicionais e povos indígenas se reúnem em Pirapora
Norte de Minas – Comunidades tradicionais e povos indígenas se reúnem em Pirapora

Reunidos nesta terça-feira (05.05) no município mineiro de Pirapora, mais de 50 representantes de comunidades indígenas e quilombolas expuseram as principais dificuldades enfrentadas hoje por seus integrantes tendo em vista a realidade da bacia do São Francisco. No debate, que faz parte das atividades de atualização do Plano de Recursos Hídricos do rio São Francisco, a má qualidade da água foi pontuada como um dos principais problemas nos quilombos. “A água só chega salgada para nós. Além disso, acho que a quantidade de cloro é muita porque a água borbulha quando sai da torneira e a gente tem que esperar um tempo para beber”, afirma Elzina Fernandes de Souza, da comunidade Bem Viver, que fica no distrito de Vila Nova, município de Janauba.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

.

Alguns dos problemas em comum mencionados pelos quilombolas e indígenas foram o uso excessivo de agrotóxico pelas grandes empresas e por agricultores; as queimadas; o desmatamento; o assoreamento do rio e a estiagem prolongada.

O sociólogo Rafael Arantes, integrante da equipe técnica da empresa Portuguesa Nemus Consultoria, contratada pelo Comitê do São Francisco para atualização do plano, destacou como ponto relevante observado nessa etapa do diagnóstico o fato de existirem 1.023 comunidades quilombolas já reconhecidas ou em processo de reconhecimento, sendo que, destas, 320 comunidades ficam em Minas Gerais.

Já sobre os indígenas, o levantamento parcial da Nemus demonstra que existem 64 terras indígenas em toda a Bacia do São Francisco, seis delas em Minas Gerais. Uma observação feita é a de que apenas 23% do total das terras indígenas da bacia estão em situação regular.

O coordenador da Câmara Consultiva Regional do Alto São Francisco, Marcio Pedrosa, marcou presença na oficina, juntamente com a representante do Comitê de Bacia dos rios Jequitaí e Pacuí, Sirléia Drumond, que deu apoio local para a realização do evento. Na oportunidade, estiveram reunidos também povos quilombolas de Gorutubanos, área urbana de Janauba; representantes da Associação dos Pequenos Produtores e Familiares Quilombolas Alegres, de Januária (MG), além dos povos indígenas Xakriabás, da cidade mineira de São João das Missões.

Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco é um órgão colegiado, integrado pelo poder público, sociedade civil e empresas usuárias de água, que tem por finalidade realizar a gestão descentralizada e participativa dos recursos hídricos da bacia, na perspectiva de proteger os seus mananciais e contribuir para o seu desenvolvimento sustentável. A diversidade de representações e interesses torna o CBHSF uma das mais importantes experiências de gestão colegiada envolvendo Estado e sociedade no Brasil.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

MG - Jovem inventa que mãe está passando mal para estuprar vizinha

MG – Jovem inventa que mãe está passando mal para estuprar vizinha

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 5 de dezembro de 2016.MG – Jovem …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).