Inicio » Minas Gerais » MG – Operadoras de Telefonia são proibidas de interromper acesso a internet móvel em Minas Gerais

MG – Operadoras de Telefonia são proibidas de interromper acesso a internet móvel em Minas Gerais

As operadoras de telefonia Oi, Vivo, Claro e TIM foram proibidas de interromper o serviço de acesso a internet móvel quando a franquia contratada for atingida. A liminar foi concedida na última quarta-feira (20), e vale para todo o Estado de Minas Gerais, mas apenas para consumidores que adquiriram o plano antes do dia 7 de março de 2014.

MG - Operadoras de Telefonia são proibidas de interromper acesso a internet móvel em Minas Gerais
MG – Operadoras de Telefonia são proibidas de interromper acesso a internet móvel em Minas Gerais

A data se refere à vigência da Resolução 632/2014 da Anatel, que aprova o Regulamento Geral de Direitos do Consumidor de Serviços de Telecomunicações (RGC).

PUBLICIDADE

///////////////////////////

.

As operadoras que não cumprirem a obrigação dentro do prazo de 20 dias, contados a partir da intimação, estão sujeitas a pagar multa diária no valor de R$ 20 mil, limitado a R$ 600 mil por empresa. A multa será revertida para o Fundo Estadual de Proteção do Consumidor de Minas Gerais.

Sobre os novos contratos, a Justiça determinou que só poderá acontecer a interrupção caso conste claramente nos termos de ajuste as novas regras. O consumidor deve estar bem informado das condições de uso do serviço e não pode ser surpreendido com a interrupção deste.

A interrupção do acesso ao serviço de internet móvel iniciou-se em 5 de novembro de 2014, após a vigência do art. 52 da Resolução nº 632/2014, que possibilita às operadoras alterarem ou extinguirem unilateralmente planos de serviço, ofertas conjuntas e promoções aos consumidores, tendo apenas a obrigação de informar aos usuários de tais condições com antecedência mínima de 30 dias, independentemente da data da contratação dos serviços.

o juiz federal substituto Daniel Carneiro Machado, da 21ª Vara Federal da Seção Judiciária de Minas Gerais, considerou que a alteração unilateral dos contratos de consumo já celebrados, que previam acesso ilimitado à internet, viola os direitos fundamentais dos consumidores, lesando os princípios da boa-fé objetiva, da confiança, da vinculação da oferta , da informação e transparência dos termos do ajuste.

A ação civil coletiva foi proposta pelo Instituto Mineiro de Políticas Sociais de Proteção e Defesa do Consumidor (POLISDEC) contra a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e as operadoras de telefonia citadas na liminar.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

De compra pela internet a mesada, veja opções de uso do cartão pré-pago internacional ZenCard MasterCard

De compra pela internet a mesada, veja opções de uso do cartão pré-pago internacional ZenCard MasterCard

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 7 de dezembro de 2016.De compra pela …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).



2 comentários

  1. Deveria fazer isso também em Campo Grande – MS seria ótimo.

  2. Deveria fazer isso também em Campo Grande – MS