Inicio » Colunistas » Hesiodo José » Coluna – Fragmentos Diários; (Aumento e também invento)

Coluna – Fragmentos Diários; (Aumento e também invento)

Fugir para aonde
Dona Zefa sentada no banco da praça esperando o ônibus, disse algumas palavras que deu medo em mim e nos curiosos que bisbilhotavam a conversa. “Estamos todos pedindo segurança para a policia com cisma do ladrão que veste a touca preta e mostra a arma, mas e o pessoal engravatado que  votamos será quem   vai  nos proteger contras essas desgraças, esses fi-de-rapariga veia que rouba mais que rato de noite! Eles que fazem as leis e mandam na policia, então um vai sempre escudando o outro. Se não bastasse essa turma, agora apareceram os ladrões do DPVAT, os médicos também fazendo suas gangs de superfaturações e a turma da bola liderado pelo senhor Ricardo Teixeira “enfia o dedo no cu é cheira”, Marins e o Blatter que já vai tarde. “Vou dizer uma coisa qualquer dia eu roubo um picolé do picolezeiro e mostro  a carteirinha de idosa doida!”

Comprovado

As religiões pregam a compaixão com o próximo. Mas, na prática, quem é religioso não liga muito para a compaixão. Isso foi constatado por um estudo da Universidade de Berkeley, nos EUA, que analisou a vida e os hábitos de 1 337 pessoas adeptas de vários credos. As pessoas menos religiosas se guiavam principalmente pela compaixão quando faziam algum ato de caridade – como oferecer o assento do ônibus a um estranho, por exemplo. Já entre os mais devotos, era diferente. “Os mais religiosos baseiam sua generosidade em outros fatores, como a doutrina e a reputação ante os membros da comunidade”, diz o sociólogo Robb Willer, autor do estudo.  A tese de Willer foi comprovada por outro estudo, em que 210 estudantes de diversas religiões, classes e etnias participaram de um jogo. Cada um recebeu uma quantidade de pontos que poderiam ser trocados por dinheiro. E decidia se compartilhava os pontos ou guardava para si. Resultado: entre os menos devotos, a compaixão pesou muito nas atitudes em favor do grupo. Já entre os devotos, a compaixão quase não influiu – eles sempre doavam valores parecidos, independentemente dos sentimentos que tinham em relação aos demais participantes. Enfim, pare de dar dizimo para a Igreja e distribua nas ruas, dê um vale transporte para o “orelha seca” que mora no Jaraguá II e trabalha no Ibituruna, pois é obrigado a ir a pé quando sua bicicleta fura o pneu.

 Os EUA possuem vírus que podem devastar o mundo

Os Estados Unidos para você que é de Montes Claros, Nova Esperança, Lontra. Japonvá e cercanias, já espionou toda a sua família, Obama sabe que enquanto sua mulher está fora você assiste vídeos pornôs Gays, sabe que sua mulher tem calcinhas amarelas e que sua filha toma anti-concepcional. Além fique esperto porque a  varíola matou 300 milhões de pessoas no século 20 até ser erradicada com campanhas de vacinação. O último caso foi registrado em 1977, na Somália. Mas o micro-organismo por trás da doença, do gênero Orthopoxvirus, continua muito bem, obrigado. “A varíola ainda é uma ameaça para o mundo inteiro. Os EUA e a Rússia guardam estoques do vírus congelado desde a Guerra Fria”, diz Steven Block, biofísico da Universidade de Stanford e um dos maiores especialistas mundiais em bioterrorismo. O arsenal americano é mantido no Centro para Controle e Prevenção de Doenças, em Atlanta. Por tanto não é possível tentar um ataque a Estatua da Liberdade e voltar para Bocaiuva como se nada tenha acontecido…cuidado e peito de mulher fazem bem a quem gosta de viver mais.

Os médicos não lavam as mãos

Isto eu e Claudio “boca de veia” meu assessor especial já sabíamos. Higiene é fundamental, ainda mais em um hospital. Mas os profissionais de saúde não levam a prática muito a sério. “Nós estimamos que, para cada 100 vezes que o médico deveria higienizar as mãos, ele só faz isso 36 a 40 vezes”, diz Marcos Antonio Cyrillo, diretor da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI). E não é só no Brasil. Um estudo do médico Didier Pittet, da Universidade de Genebra, afirma que os médicos lavam as mãos apenas na metade das vezes que deveriam. E isso ameaça a saúde dos pacientes. “Se fossem seguidas todas as medidas adequadas, como lavar as mãos, isolar o doente e usar equipamentos de proteção, conseguiríamos reduzir de 30% a 40% a taxa de infecção hospitalar”, afirma Cyrillo. Fora aquela mania que alguns tem de coçar o saco e cheirar, se lavasse as mãos após cada coçada um medico do Pronto Socorro de um Hospital de Montes Claros teria que lavar as mãos a cada 10 segundos.

Riso da Hora
Um dia na escola a professora pede  aos  seus alunos que façam um rima bem bonita
e pergunta ao primeiro
– Diga Maria qual a sua rima?
– eu tenho uma coisa que é só minha, o coração da minha maezinha.
– Parabéns Maria muito bonita.Falou a professora
– e você Carlinhos.
– eu tenho amor como uma flor.
– muito bonito Carlinhos, disse a professora.
– E você Joãozinho diga a sua rima.
– Lá vem um canguru com uma flor no meio do cú!
– a professora indignada manda ele refazer a frase.
e lhe pergunta novamente depois de alguns minutos.
-Diga Joãozinho.Qual é a nova frase
– La vem Areta  coçando a sua… .

Antes que terminasse a Professora gritou;

– Chega Joãozinho, sua nota é zero!

Fica assim, amanhã tem mais…

Por Hesiodo José

Hesiodo José
Hesiodo José

.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

O responsável pela cirurgia o neurocirurgião César Felipe Gusmão Santiago

Montes Claros – Santa Casa de Montes Claros realiza cirurgia inédita para retirada de tumor cerebral

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 9 de dezembro de 2016.Montes Claros – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).