Inicio » Colunistas » José de Paiva Netto » Coluna – Caridade e estratégia

Coluna – Caridade e estratégia

Caridade rima com amizade. E não apenas pela fonética. Sua ação está intrinsecamente ligada ao gesto cordial de esclarecer e amparar os menos instruídos. Pela passagem do Dia da Caridade (19/7) e do Dia Internacional do Amigo, comemorado em 20/7, recorro à nova edição de Cidadania do Espírito, na qual destino um capítulo ao significado do termo Caridade, convidando o leitor a refletir sobre essa ferramenta imprescindível, em minha opinião, para ajustar os mecanismos de uma sociedade, ainda hoje regida pelo individualismo, seja no âmbito particular ou coletivo, levando os povos à secura de alma, isto é, à ausência da solidariedade, da fraternidade nos relacionamentos humanos e sociais. Aqui, alguns trechos do tema. Espero que apreciem:

A Caridade não é um sentimento de tolos. É uma estratégia de Deus, que estabelece nos corações a condição ideal para que se trabalhe, governe, empresarie, administre, pregue, exerça a ciência, elabore a filosofia e se viva, com espírito de generosidade, a religião.

Quando há Amor Fraterno, incontrastável empenho e consagrada competência, que se desenvolve com labor e zelo — desde a fixação de um simples prego na madeira (creia no seu valor próprio!), não existem limites para o alicerce de um mundo melhor.

Realizar o bem voluntariamente é uma das mais belas páginas de amor que o ser humano pode escrever. O Profeta Muhammad (570-632) — “Que a paz e as bênçãos de Deus estejam sobre ele!” — ensina: “Uma boa ação é aquela que faz aparecer um sorriso no rosto do outro”. A Caridade, aliada à justiça, é o combustível das transformações profundas. Sua ação é sutil, mas eficaz. A Caridade é Deus.

Reforma efetiva

Desumanidade resulta em desumanidade. Aí está, em resumo, a explicação do estado atual do planeta. Porém, com a riqueza de nosso espírito, podemos edificar um amanhã mais apreciável. Entretanto, nenhuma reforma será duradoura se não houver o sentido de Caridade atuando na Alma.

A Caridade é o centro gravitacional da consciência política, social, filosófica, científica, religiosa, de modo que — se o ser humano não tiver compreensão dela — deve esforçar-se para entendê-la, a fim de que venha a subsistir em sua própria intimidade pessoal. Não há céu mais auspicioso do que o coração, quando iluminado pelas forças do Bem. Ela é o divino sentimento que nos mantém vivos. Por toda a existência, mormente na hora da dor, ao invés de lamentações, não nos esqueçamos dela e a pratiquemos com devoção. Trata-se de um grande medicamento para a alma.

A Caridade é a prova do poder do Espírito em construir promissoras épocas para as criaturas e seus povos. Não há maior inspiração para a boa política do que ela. Absurdo?! O tempo mostrará que não. Aliás, já está mostrando.

José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor

José de Paiva Netto
José de Paiva Netto.

.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Cultura Moc - Festa Nacional do Pequi começa na próxima semana

Cultura Moc – Festa Nacional do Pequi começa na próxima semana

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 10 de dezembro de 2016.Cultura Moc – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).