Inicio » Colunistas » Dr. Eduardo Freitas » Coluna – “JE SUIS” Pedro

Coluna – “JE SUIS” Pedro

A expressão “je suis Charlie” foi criada por um cartunista francês logo após os atentados terroristas contra o jornal satírico Charlie Hebdo, que deixou 12 mortos. Cartazes com referida frase, traduzida em diversos idiomas, inundaram manifestações em redes sociais de todo o planeta.

No Brasil não foi diferente. Vários de nossos pares aproveitaram a onda e adotaram o lema sem sequer saber o que isso realmente significava e o conteúdo propagado por mencionado jornal. Nosso povo é mestre por buscar em terras estrangeiras supostos bons exemplos, relegando o patrimônio humano existente em terras tupiniquins. Sim, caro leitor, nós temos em nosso país figuras ocultas que são dignas do mais alto galardão nos céus. São pessoas que, com suas condutas, transmitem exemplos que devem ser seguidos em todos os dias de nossas vidas. Adiante, descreverei um pouco sobre um desses personagens anônimos.

Antes, é importante esclarecer, sei que as palavras aqui escritas jamais chegarão ao real destinatário delas. Talvez ele sequer as compreenda, dado o pouco hábito pela leitura. Mas não posso deixar de externar que, hoje, “je suis” Pedro. Se tivesse, assim, que buscar em quem me espelhar, ele seria meu paradigma: humildade, sabedoria, serenidade e riqueza de espírito, não obstante a absoluta ausência de recursos materiais.

Tenho dito de forma reiterada, plagiando Napoleon Hill, que “o triunfo de cada homem parece ser quase na exata proporção dos obstáculos e dificuldades que ele tem de vencer”. Talvez seja por essa razão que os evangelistas fazem referência a Pedro 171 vezes, sendo 114 nos evangelhos e 57 nos Atos dos Apóstolos. No evangelho de Mateus (16, 18), consta que o Messias lhe atribuiu a seguinte e árdua missão: “Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja”.

O Pedro a que aqui me refiro, entretanto, é outro. Nem por isso menos nobre e importante, mormente na formação de valores a homens incautos e incultos, como eu. Desde criança foi acometido por paralisia infantil, doença que lhe comprometeu as duas pernas e braço esquerdo. Sempre viveu de forma muito modesta, pouco dependendo de terceiros para a realização de tarefas diárias. Cuida-se de um carpinteiro de causar inveja, não obstante acreditar que sua real missão, tal qual a Cristo, é a de verdadeiramente esculpir almas.

Recentemente, Pedro teve que ser internado, acometido que foi de uma bronquite asmática. Após quatorze dias de internação, retornou a seu humilde lar. Fui visitá-lo. Aprendi um pouco mais sobre as diversas dimensões da verdadeira grandeza. Preciso descrever, em minucias, o que se deu, a fim de que o leitor se sinta no mesmo ambiente que estive. Assim o faço: A casa era bem simples. Paredes pintadas de branco, talvez forçado pelo cal. O portão verde já estava aberto. A pequena porta da sala também. Imediatamente ao entrar na casa avistei Pedro, embrulhado em um pequeno cobertor marrom. Parecia uma pequena criança, embora já passados mais de 70 anos. A tarde estava fria. Na pequena cama sobrava espaço, já que as pernas estavam atrofiadas. O dormitório estava ao lado de uma janela azul, por vezes aberta nas madrugadas para ver as estrelas, como ele mesmo nos descreveu. Em uma cadeira, próxima ao dormitório, havia uma espécie de chá de rapadura, considerado remédio natural para as doenças de inverno. Sem que perguntássemos qualquer coisa, já fomos recebidos com um enorme e estrondoso sorriso de agradecimento. Estar em sua simples morada, gozando a tranquilidade dos eleitos, era sua maior felicidade. Riqueza? Mesmo na pobreza material, Pedro se dizia um homem rico e agradecido. Afinal, estava bem, ainda que com um fôlego curto pela doença em fase inicial.

Conversamos sobre diversos assuntos. Em nenhum momento ouvi qualquer palavra que pudesse denotar lamurias ou lamentações. É fato: o corpo de Pedro se debilita a cada dia de forma mais intensa. Mas não observei outra coisa senão seu sorriso desdentado, sem qualquer rancor pelo quadro que o abatia desde a infância, agora agravado pela enorme dificuldade que tem em permanecer sentado em sua cadeira de rodas curtindo o sol da manhã, considerado uma grande “benção” e motivo de profunda alegria.

Para concluir: agradeça por tudo aquilo que já aconteceu em sua vida, mesmo os momentos de profunda dor. Não obstante as inúmeras descobertas científicas, a nossa compreensão do universo ainda é muito superficial. Não podemos julgar o que quer que realmente aconteça em nossa passagem aqui na terra. Nada acontece por acaso, e se aconteceu Deus quis assim. O que nos resta é correr atrás de nossos objetivos, mesmo que o universo pareça conspirar em contrário. Deus está contigo! Não chores! Como diria Fernando Pessoa, “às vezes ouço passar o vento; e só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido”. Sejamos Pedros! Do latim “Petrus”. Significa a rocha.

Dr. Marcelo Eduardo Freitas – Delegado de Polícia Federal e Professor da Academia Nacional de Polícia

Dr. Marcelo Freitas
Dr. Marcelo Freitas

.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

O responsável pela cirurgia o neurocirurgião César Felipe Gusmão Santiago

Montes Claros – Santa Casa de Montes Claros realiza cirurgia inédita para retirada de tumor cerebral

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 9 de dezembro de 2016.Montes Claros – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).