Inicio » Colunistas » Júlio Cesar Cardoso » Coluna de Júlio C. Cardoso – A trupe vermelha nas ruas

Coluna de Júlio C. Cardoso – A trupe vermelha nas ruas

Vamos falar sério. A manifestação vermelha, de meia dúzia de gatos pingados, espraiada por algumas cidades brasileiras e patrocinada pelo PT, através dos “movimentos sociais” que vivem de dinheiro do governo, não representa a maioria do povo brasileiro, decepcionada com a incompetência e pela quebra de promessas de Dilma Rousseff, a qual afirmara que não haveria desemprego, que a inflação estava sob controle, que as tarifas públicas, energia, combustíveis, transportes etc. não aumentariam, que não iria mexer nas conquistas trabalhistas e previdenciárias, enfim, mentiu deslavadamente ao povo brasileiro.

Hoje o país está em recessão, o desemprego aumentou, o custo de vida subiu por causa da volta da inflação, as empresas estão demitindo e fechando, não houve investimentos públicos, as despesas com educação e saúde encolheram, e o povo está sendo chamado para pagar uma conta que ele não deu causa.

Ademais, Dilma se valeu de contabilidade especiosa, tentando enganar o TCU, ao pegar recursos de bancos públicos, BNDES e CAIXA, proibidos por lei, para injetar no Bolsa Família e Minha Casa Minha Vida, o que lhe poderá custar a sua cassação.

Assim, trata-se de um governo corrupto, ela e Lula, enrolados em negócios escusos na Petrobras (Operação Lava-Jato), cuja resposta está estampada no alto índice de impopularidade, 71%, rejeição superior à registrada às vésperas da cassação de Collor. E veja: somente 8% aprova o governo Dilma, representado pelos vermelhinhos que fizeram manifestações em algumas cidades do país, em pleno dia útil da semana.

Comparação: as três manifestações apolíticas do povo brasileiro, ocorridas no Brasil, em repúdio ao governo e aos políticos corruptos, suplantaram de longe as carpideiras que foram às ruas chorar por pelo velório de Dilma e Lula.

Pasmem a insensatez da mandatária Dilma. Ela disse que a educação seria a prioridade de sua administração, mas cortou 7 bilhões de reais de verba da educação, contrariando o seu lema do segundo governo: “Brasil: Pátria Educadora”.

Não se compreende como alguém ainda possa acreditar em uma governanta impostora, que não cumpriu o prometido, que pouco fez de positivo até agora para fortalecer o país no cenário das nações, que tem as suas contas reprovadas pelo TCU, que travou o desenvolvimento do Brasil, que elegeu o fator climático como causa desfavorável à produção do país, bem como a turbulência da economia mundial de 2008, só que nesse período o Brasil investiu apenas 2,5% do PIB, enquanto Peru (4%), Chile (5%), Índia (6%) e China (13%).

Por muito menos, Collor foi cassado. Em um sistema parlamentarista, Dilma já teria sido substituída. Assim, o possível impeachment de Dilma não é golpe, mas remédio legítimo e democrático, amparado em nossa Constituição Federal.

Júlio César Cardoso

Bacharel em Direito e servidor federal aposentado

Balneário Camboriú-SC

Júlio César Cardoso
Júlio César Cardoso

.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).