Inicio » Colunistas » Júlio Cesar Cardoso » Coluna de Júlio C. Cardoso – A paz e a segurança pública

Coluna de Júlio C. Cardoso – A paz e a segurança pública

O mundo foi abalado com a imagem  comovente do pequeno Aylan, deitado na praia, sem vida. Aylan Shenu, refugiado Sírio de 3 anos, morreu afogado com a mãe, Rehan, e o irmão de 5 anos, Galip, quando  o barco precário que os transportava afundou. Só Abdullah, o pai do menino, sobreviveu.  A cena patética é o retrato desumano de como as autoridades politicas mundiais tratam com menoscabo o direito de viver dos cidadãos. 

No Brasil, não é diferente. Aqui, muitos Aylan morrem ou sobrevivem de forma vergonhosa em estado de miséria, porque o dinheiro dos contribuintes é desviado para locupletar políticos corruptos, verdadeiros larápios do Erário. 

A diáspora a que assistimos tem a força do maior fluxo de refugiados desde a II Guerra Mundial, que procuram um lugar para viver em paz. No Brasil, a ausência de paz não é por perseguição racial, religiosa ou política, mas pela falta do Estado, por incompetência ou negligência, de prover políticas efetivas de segurança pública para todos. 

Enquanto incompetentes parlamentares governistas não honram  o mister de fazer política com seriedade, mas apenas praticam politicagem mesquinha de conchavos, de apoio  ao fisiologismo espúrio ou de comparecimento à CPI da Petrobras para defender – Paulo Pimenta (PT-RS), Maria do Rosário (PT-RS), Sibá Machado (PT-AC), José Guimarães (PT-CE) etc.  – políticos larápios como José Dirceu ou o desastrado governo  de Dilma Rousseff, esquecendo-se das necessidades sociais, a segurança pública brasileira continuará sendo um descalabro, da mesma forma como são negligenciadas as áreas da educação e saúde.  

São 13 anos de governo petista, e o país está mergulhado em recessão. E, com medo de panelaços, a presidente da República deixou de fazer pronunciamento de praxe à nação, nos dias 1º de Maio e 7 de Setembro. Agora, depois de suas lambanças, quer ressuscitar a CPMF e chama os contribuintes a pagar a conta, que eles não deram causa. 

O governo federal deveria se envergonhar de presidir um país onde os cidadãos e as instituições públicas e privadas estão vulneráveis ao banditismo, sem que haja uma política eficaz  de combate implacável à delinquência no Brasil. Não temos segurança.  Só se for a presidente da República, com a sua guarda palaciana, ou os parlamentares, porque o resto da sociedade só paga imposto e recebe serviços públicos de péssima qualidade. 

A segurança púbica dos brasileiros não é só uma obrigação estadual, mas também e principalmente do governo federal. Hoje, podemos dizer que a falta de segurança pública no país é o mais grave problema do tripé EDUCAÇÃO, SAÚDE e SEGURANÇA.  

No Rio de Janeiro, por exemplo, o tiroteio corre solto na cidade, entre os traficantes, a ponto de as escolas permanecerem fechadas. Em todo  o quadrante nacional a falta de segurança púbica é uma tragédia. Assassínios, roubos, furtos, assaltos a carros-fortes, arrombamentos de bancos e explosão de caixas eletrônicos já se tornaram uma rotina na vida dos brasileiros. Enquanto isso, os deputados Paulo Pimenta (PT-RS) e Maria do Rosário (PT-RS) não se preocupam com a segurança do país, mas apenas em defender  o governo e os corruptos do partido, envolvidos na Operação Lava-Jato. 

O gaúcho, competente e corajoso, José Mariano Beltrame, secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, deveria ser mais ouvido pelo governo federal e pelos parlamentares, pois é o único servidor púbico, à testa da direção de uma secretaria de segurança, que tem alertado a grave situação brasileira da falta de segurança pública no Brasil.

Júlio César Cardoso

Bacharel em Direito e servidor federal aposentado

Balneário Camboriú-SC

Júlio César Cardoso
Júlio César Cardoso

.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).