Inicio » Colunistas » Júlio Cesar Cardoso » Coluna do Júlio C. Cardoso – O esquadrão de socorro ao Governo Federal

Coluna do Júlio C. Cardoso – O esquadrão de socorro ao Governo Federal

Causa perplexidade governadores servirem de escudo à presidente Dilma Rousseff, pois a mandatária jamais quis dialogar com a classe política, afundou o país e fez ressurgir a inflação, o desemprego e o fechamento de empresas. E para completar, o Brasil teve a sua nota de crédito rebaixada pela agência de classificação de risco Standard& Poor’s.

Depois das lambanças da presidente, que só se preocupou com a sua reeleição, distribuindo bondades sociais com dinheiro do contribuinte e se esquecendo de investir na produção de riquezas para garantir o desenvolvimento e o pleno emprego, agora ela vem acenar ao povo para pagar o prejuízo produzido por sua má administração, mediante aumento da carga tributária.

Completamente atônita, Dilma Rousseff dá sinal de que perdeu o senso ao dizer que “O governo não aprova a CPMF, quem aprova é o Congresso”. Mas quem está propondo a volta não é a sociedade, mas sim o governo, que tem o poder de sancionar caso a matéria seja referendada no Congresso.

Quem não se lembra da referência desairosa do PT aos EUA de que a crise de 2008 representava apenas uma marolinha ao Brasil? De lá para cá, os EUA deram a volta por cima, enquanto o Brasil está mergulhado em recessão econômica, com a inflação corroendo o salário dos trabalhares, bem como o governo e o partido envolvidos na Operação Lava-Jato.

A presidente, num esforço pretensioso de duvidar de nossa inteligência para perceber a sua incompetência, quis transferir o insucesso de seu governo a fatores climáticos, bem como à turbulência da economia mundial de 2008. Só que nesse período o Brasil investiu 2,5% do PIB, enquanto Peru (4%), Chile (5%), Índia (6%) e China (13%).

Agora o governo apela para o retorno da CPMF, sem dar sinal de enxugamento da quantidade de ministérios.  Por que o governo não fez uma revisão em todos os seus programas, visando à redução de gastos, antes de propor aumento da carga tributária? O governo deveria agir como uma família que manda o filho fazer um curso de línguas no exterior e depois, por motivos financeiros, determina o seu retorno com a interrupção do curso.

Chega de tributo. Já temos carga tributária demais (36% do PIB), sem retorno em serviços públicos de qualidade, como educação, saúde e segurança.

Assim, soa desarrazoada e injusta a tentativa da volta da CPMF para pagar o rombo do governo, ressuscitando um imposto que atinge a todos em cascata, mesmo aqueles que não têm conta bancária. E o Congresso Nacional, como representante do povo, tem o dever de defender a sociedade.

Se o governo deu prejuízo à nação, é ele que deve ser responsabilizado, e não o povo. Aliás, não obstante a presidente reclame de tentativa de golpe, a sua situação é periclitante: (1) perda da capacidade administrativa; (2) maior índice de rejeição de um governo (71%); (3) rejeição das contas do governo, de 2014, no TCU; (4) investigação, no TSE, das contas de campanha à reeleição de Dilma e PT, com suspeita de financiamento  derivado de propina da Petrobras; e (5) responsabilidade solidária com a corrupção na Petrobras.

Júlio César Cardoso

Bacharel em Direito e servidor federal aposentado

Balneário Camboriú-SC

Júlio César Cardoso
Júlio César Cardoso

.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Montes Claros – Confira os destaques policiais das últimas 24h

Montes Claros – Confira os destaques policiais das últimas 24h

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 7 de dezembro de 2016.Montes Claros – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).