Inicio » Nacional » Brasil – Menos armas apreendidas e mais mortes violentas em 2014

Brasil – Menos armas apreendidas e mais mortes violentas em 2014

O Brasil apreendeu menos armas de fogo ilegais no ano passado. Segundo estudo do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a redução do número de armamentos recolhidos foi de 8%, caiu de 128.908 em 2013 para 118.379 em 2014.

Redução do número de armamentos recolhidos foi de 8%, caiu de 128.908 em 2013 para 118.379 em 2014
Redução do número de armamentos recolhidos foi de 8%, caiu de 128.908 em 2013 para 118.379 em 2014

.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

.

Quinze estados, entre eles São Paulo, Minas Gerais e Ceará, além do Distrito Federal, registraram diminuição. No mesmo período, houve o aumento de mortes violentas no pais. O número cresceu em 18 estados, também segundo o Fórum.

O levantamento sobre mortes violentas inclui homicídios dolosos, latrocínios e óbitos provocados por policiais. Em 2014, 58.559 pessoas foram assassinadas no Brasil — é como se um brasileiro fosse morto a cada dez minutos. No ano anterior, foram 55.878 mortes. A taxa de homicídios a cada cem mil habitantes, média usada internacionalmente, ficou em 26,3. O índice coloca o Brasil na lista dos 20 países mais violentos do mundo, segundo o Escritório para Drogas e Crimes da Organização das Nações Unidas (ONU), à frente de Ruanda e República Dominicana.
O Estado do Rio tem uma média de 30 homicídios por 100 mil habitantes, a 12ª mais alta do Brasil. O índice é próximo ao registrado na Colômbia (30,8), o 13º país mais violento do mundo, segundo a ONU. Já São Paulo é o estado com menor índice de homicídios: 10,3 mortos a cada 100 mil habitantes, comparável a Togo, a 56ª nação mais violenta.
.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

.
A maior taxa de homicídios por 100 mil habitantes foi registrada em Alagoas: 61,9. Se fosse um país, o estado seria o segundo mais violento do mundo, atrás apenas de Honduras.
No estado de São Paulo, foram apreendidas 21.676 armas de fogo em 2014 — queda de 13% se comparado a 2013, ano em que as apreensões chegaram a 25.022. Em Minas Gerais, a retração chegou a 12% — de 24.589 para 21.706. Na Bahia, foi de 22%, passando de 6.211 para 4.832. O maior percentual de redução foi registrado no Amapá: de 379 para 138, o equivalente a 64%.
O Rio de Janeiro, que teve média de 30 homicídios por cem mil habitantes em 2014, ainda de acordo com dados do próprio Fórum, registrou aumento no recolhimento de armamentos de 6%. Em 2013, o número de armas apreendidas foi de 8.403.
O estudo aponta ainda que as polícias estaduais apreenderam no ano passado 107,9 mil armas, 3,3% a menos do que no ano anterior, quando conseguiram tirar de circulação 111,6 mil. Já a Polícia Federal recolheu 8,9 mil armas no ano passado, quase metade (queda de 43,7%) do que havia apreendido em 2013. A Polícia Rodoviária Federal manteve o mesmo ritmo de trabalho nos dois anos, aprendendo 1,5 mil armas em 2013 e outras 1,5 mil em 2014.

Da Agência Globo

.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).