Inicio » Minas Gerais » MG – Fundação Hemominas reúne pesquisadores dos Estados Unidos para discutir doença falciforme

MG – Fundação Hemominas reúne pesquisadores dos Estados Unidos para discutir doença falciforme

Projeto REDS III avalia melhores formas de tratamento para essa e outras doenças do sangue. A Hemominas participa com estudos em três unidades.

O conjunto de pessoas envolvidas nos estudos sobre a doença falciforme é o maior do mundo, com cerca de três mil pessoas
O conjunto de pessoas envolvidas nos estudos sobre a doença falciforme é o maior do mundo, com cerca de três mil pessoas

.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

.

A Fundação Hemominas realizou, no Hemocentro de Belo Horizonte, uma reunião com três médicos pesquisadores norte-americanos para acompanhar o desenvolvimento dos estudos do REDS III (Retrovirus Epidemiology Donor Study). Os encontros ocorrem pelo menos uma vez por ano, envolvendo estudiosos sobre a doença falciforme. Na fase atual, o foco é estudar a melhor maneira de colher dados e fazer a avaliação do andamento do projeto.

Estiveram presentes na capital mineira as hematologistas Caroline Hope e Shannon Kelly e o epidemiologista Brian Custer. Todos destacaram a relevância do projeto que visa melhorar a qualidade de vida dos pacientes não só no Brasil, mas também nos Estados Unidos. “Acho muito importante essa colaboração, este intercâmbio entre os países. Hoje em dia, as pessoas são muito mais abertas à troca de dados e a trabalhar de forma colaborativa”, afirmou Caroline Hope.

.

VIATOTAL

ViaTotal

///////////////////////////

.

Brian salientou a felicidade em participar do REDS e comentou sobre o bom relacionamento entre a Fundação Hemominas e todos os envolvidos no projeto, tanto no Brasil quanto nos EUA. “Estou muito feliz em estar aqui no Brasil, em Minas Gerais. Estou gostando muito de trabalhar com os brasileiros. O REDS cobre uma ampla área dentro do aspecto Transfusional e, também, se preocupa em melhorar a sobrevida e a qualidade de vida de quem recebe o sangue e seus hemocomponentes”, destacou.

No Brasil, especialmente em Minas, está sendo formado um time de novos pesquisadores, em vários estágios do conhecimento, o que engrandece a qualidade dos serviços prestados à população. Shannon Kelly reforça a ideia do orgulho que este projeto representa no cuidado direto com o paciente. “Acho ótimo participar do REDS, aprendo cada dia mais com os brasileiros, é importante perceber que no Brasil e nos Estados Unidos os problemas são semelhantes, então a troca de informação contribui para todos”, concluiu.

Sob coordenação de Anna Bárbara Proietti, os estudos do REDS relacionados a anemia falciforme envolvem vários especialistas, com mais de 20 pesquisadores trabalhando no estudo sobre a doença. “É um orgulho, é muito bom podermos participar do REDS III, uma pesquisa que vai trazer muita informação de como melhorar a segurança do sangue e o tratamento da anemia falciforme”, ressaltou.

Após a reunião no auditório do HBH, os pesquisadores foram à Administração Central da Fundação Hemominas para conversar com o diretor Técnico-Científico, Fernando Basques, que também participa dos estudos do REDS, e a chefe da Imuno-hematologia, Luciana Cayres. A respeito da importância do estudo, Luciana afirmou que o RDS “vai contribuir muito para a elucidação da realidade brasileira à aloimunização de pacientes, dando suporte também à segurança transfusional”.

O que é o REDS

O REDS (Retrovirus Epidemiology Donor Study) é o principal estudo patrocinado pelo U.S. National Heart, Lung, and Blood Institute of the National Institutes of Health (EUA). As pesquisas referem-se ao processo de doação de sangue, ao acompanhamento de exames positivos para vírus em candidatos à doação e, nesta etapa, estuda a doença falciforme, que é um problema de saúde pública no Brasil e a doença genética de maior incidência no mundo.

No Brasil, participam do REDS pesquisadores de quatro hemocentros públicos brasileiros (Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e Pernambuco), da Universidade Federal de Minas Gerais e da Universidade Federal de São Paulo/Fundação Pró-Sangue. Dos Estados Unidos, são parceiros a Universidade da Califórnia, em São Francisco (EUA); o Blood Systems Research Institute  (BSRI); o Research Triangle Institute (RTI); e o Children’s Hospital Oakland Research Institute (CHORI). A cooperação foi iniciada em 2005.

A Fundação Hemominas participa do REDS III com estudos em três unidades: Hemocentro de Belo Horizonte e hemocentros regionais de Juiz de Fora e de Montes Claros, que refletem regiões distintas de Minas Gerais – Central, Sudeste/Zona da Mata e Norte e fazem atendimento ambulatorial, além de terem pesquisas em andamento. A etapa III do estudo REDS envolve aplicação de recursos de mais US$ 4 milhões, oriundos dos Estados Unidos, em pesquisas que vão até 2018.

Agência Minas

.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Cultura Moc - Festa Nacional do Pequi começa na próxima semana

Cultura Moc – Festa Nacional do Pequi começa na próxima semana

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 10 de dezembro de 2016.Cultura Moc – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).