Inicio » Política » Governo já prepara plano B para a CPMF

Governo já prepara plano B para a CPMF

Diante da dificuldade que terá para aprovar a CPMF no Congresso, o governo já prepara um plano alternativo que seja capaz de fazer frente à receita prevista com o imposto, de R$ 32 bilhões.

Palácio do Planalto vai manter a discussão em torno da CPMF e as articulações para viabilizar a medida continuam
Palácio do Planalto vai manter a discussão em torno da CPMF e as articulações para viabilizar a medida continuam.

.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

.

O plano B inclui aumento da Cide (imposto sobre combustíveis), repatriação de dinheiro não declarado no exterior, desvinculação de receitas da União (DRU), taxação com a legalização dos jogos e uma nova etapa do programa de parcelamento de dívidas com a União (Refis). Na avaliação do governo, o clima no Congresso não irá melhorar a ponto de se aprovar uma medida polêmica, como a criação de um novo imposto.

Oficialmente, o Palácio do Planalto vai manter a discussão em torno da CPMF e as articulações para viabilizar a medida continuam. Nesta quinta-feira, a presidente Dilma Rousseff recebeu apoio de duas entidades de prefeitos ao projeto. Pela manhã, a Confederação Nacional dos Municípios (CNM) disse que está do lado do governo pela medida e se comprometeu em mobilizar deputados aliados pela aprovação. E no fim da tarde, a Frente Nacional de Prefeitos também esteve com a presidente para se manifestar a favor do imposto.
A proposta que está em negociação entre o Planalto e os prefeitos é de elevar a alíquota de 0,20%, sugerida inicialmente pelo governo, para 0,38%. Assim, o imposto, que inicialmente seria todo usado pela União para pagar o déficit da Previdência, passaria a ser dividido com estados e municípios. Os demais entes da federação usariam a sua parcela dos recursos na Saúde e em outras áreas sociais.
— Defender imposto é sempre constrangedor, principalmente na situação que nós estamos vivendo. Mas não temos alternativas. Nós precisamos nos unir porque o Estado está precisando desse imposto, as prefeituras precisam desse imposto. Nós, prefeitos, defendemos essa CPMF desde que ela seja compartilhada com os municípios — disse Luiz Lázaro Sorvos, vice-presidente da Confederação Nacional de Municípios, após se reunir com Dilma e com os ministros Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo) e Jaques Wagner (Casa Civil).
.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

.
Berzoini saiu da reunião dizendo que com a ajuda dos prefeitos seria possível vencer as resistências à aprovação da CPMF no Congresso.
— A CPMF é um imposto que interessa diretamente à União, aos estados e aos municípios para financiar o conjunto de programas sociais que os três entes federativos desenvolvem em benefício da população. Creio que a vinculação de prefeitos, governadores, União e os parlamentares de todos os partidos pode viabilizar uma votação — afirmou Berzoini.
Na outra demonstração de apoio à CPMF, o governo recebeu ontem à tarde uma carta da Frente Nacional de Prefeitos (FNP) defendendo a recriação do imposto desde que seja destinado à Saúde. A FNP sugere que dos 0,38% da alíquota, 0,12% fiquem com municípios, 0,09% com os estados e 0,17% com a União. Segundo o prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda, que preside a frente, os municípios estão acumulando déficit nos fundos de saúde devido aos cortes no Orçamento do governo federal. Para ele, a alocação do imposto na Saúde sensibilizaria os parlamentares.
— Qualquer imposto novo que venha a ser criado poderia contar com o nosso apoio se os recursos fossem destinados à Saúde. Não importa se CPMF, ou qualquer outro imposto, nós estaríamos dispostos a apelar ao Congresso que aprove desde que venha a resolver a crise que nós temos instalada hoje no atendimento à saúde — disse após reunião com a presidente.
Posição mais flexível adotou o presidente da Associação Brasileira de Municípios (ABM), Eduardo Pereira, que também esteve no encontro. A AMB defende a mesma proposta da Confederação Nacional dos Municípios, de dividir a alíquota em 0,20% para a União, 0,09% para os estados e 0,09% para os municípios.
As duas entidades querem que o projeto de lei estabeleça que o imposto seja destinado para a seguridade social. Assim, os municípios poderiam utilizá-la para a saúde, e o governo para a Previdência. De acordo com Pereira, a ideia foi bem recebida pela presidente.
— O que ela não abre mão é de que para a União o imposto deve ser dirigido para a Previdência, que é o principal problema do governo.
Na próxima terça-feira, Berzoini vai se reunir com representantes das três organizações para tentar um acordo sobre a recriação da CPMF.
.
------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).