Inicio » Minas Gerais » Belo Horizonte » MG – Acusados da Chacina de Unaí começam a ser julgados nesta terça (27)

MG – Acusados da Chacina de Unaí começam a ser julgados nesta terça (27)

Norberto Mânica e José Alberto Costa estão entre os mandantes das mortes dos servidores do Ministério do Trabalho e Emprego em janeiro de 2004.

MG - Acusados da Chacina de Unaí começam a ser julgados nesta terça (27)
MG – Acusados da Chacina de Unaí começam a ser julgados nesta terça (27)

.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

.

Começam a  ser julgados nesta terça-feira (27), em Belo Horizonte, mais dois acusados da chacina de Unaí. Norberto Mânica e José Alberto Costa estão entre os mandantes das mortes dos servidores do Ministério do Trabalho e Emprego que atuavam na fiscalização a fazendas de Unaí, no Noroeste de Minas. O crime aconteceu em janeiro de 2004.

O julgamento começou na última quinta-feira (22), porém uma manobra da defesa conseguiu, mais uma vez, prorrogar o júri. Auditores fiscais e familiares das vítimas protestaram e cobraram justiça.

Entenda

O Noroeste Mineiro, uma das áreas de maior produção agrícola do estado, é também local onde já foram verificadas diversas ocorrências de trabalho escravo. O combate a esse crime e a outras irregularidades trabalhistas, principal atividade exercida pelas vítimas no desempenho de suas funções, foi, segundo a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), o motivo pelo qual suas mortes foram encomendadas.

O brutal assassinato ocorreu na manhã do dia 28 de janeiro de 2004. Os auditores fiscais Nelson José da Silva, João Batista Lages e Erastótenes de Almeida Gonçalves, acompanhados do motorista Ailton Pereira de Oliveira, foram emboscados e mortos a tiros em uma estrada rural do município de Unaí, quando se dirigiam para efetuar fiscalização em fazendas da região.

.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

.

Os executores dos homicídios, Erinaldo Vasconcelos Silva, Rogério Allan Rocha Rios e Willian Gomes de Miranda, já cumprem pena pelos crimes. Eles foram julgados e condenados pelo Tribunal do Júri Federal em setembro de 2013, com penas que foram de 56 a 94 anos de prisão.

Durante o julgamento, Erinaldo Silva, ao confessar a execução dos crimes, admitiu ter recebido a quantia de aproximadamente 50 mil reais para cometer os homicídios, detalhando como se deu a sua contratação, na cidade de Formosa/GO, onde morava, por intermédio de Francisco Pinheiro (réu falecido).

Mesmo ressaltando o fato de já terem se passado anos demais do ocorrido, Erinaldo descreveu em detalhes, para o júri, como se deu sua contratação”, por meio dos intermediários Chico Pinheiro e José Alberto Costa, para matar Nelson José da Silva, “que estava incomodando algumas pessoas.

Erinaldo também contou as viagens feitas a Paracatu, onde ficava a sede da Delegacia Regional do Trabalho onde Nelson trabalhava, e como se deu a execução. Um detalhe esclarecido por ele foi que a contratação inicial era só a morte de Nelson, mas como ele sempre viajava acompanhado, os contratantes disseram para matar todo mundo, que eles pagariam em dobro. Segundo o executor, esses contratantes eram os fazendeiros Norberto e Antério Mânica.

Por sinal, um mês depois do crime, Erinaldo disse ter recebido diretamente de Norberto Mânica, que foi até sua casa em Formosa/Go, proposta para matar outras pessoas no Paraná, que ele não aceitou.

Os dois teriam voltado a se encontrar na Penitenciária Nelson Hungria, quando foram presos pelo crime. Segundo Erinaldo, naquela ocasião, foi-lhe prometida a quantia de 100 mil reais para que ele confessasse, em juízo, que o crime havia sido latrocínio (roubo seguido de morte). Essa quantia, posteriormente, foi aumentada, incluindo a doação de uma carreta. A mesma proposta foi feita ao outro executor, Rogério Alan.

Fato é que, apesar da rapidez na apuração e acusação dos envolvidos, mais de 11 anos se passaram entre a data dos fatos e o julgamento dos réus acusados de terem concebido e ordenado os homicídios. A demora deveu-se aos infindáveis recursos interpostos por seus advogados.

Segundo a sentença de pronúncia, contestada pelos advogados de defesa por meio de todos os recursos possíveis e em todas as instâncias, e assim mesmo mantida por todos os tribunais, Norberto e Antério Mânica, Hugo Alves Pimenta e José Alberto de Castro irão responder pelo crime de homicídio doloso qualificado (artigo 121, § 2º) por: I – Mediante paga ou promessa de recompensa, ou por outro motivo torpe; IV – à traição, de emboscada, ou mediante dissimulação ou outro recurso que dificulte ou torne impossível a defesa do ofendido; V – para assegurar a execução, a ocultação, a impunidade ou vantagem de outro crime.

Se condenados, as penas podem ir de 12 a 30 anos de prisão, que serão multiplicadas por quatro (número das vítimas).

A demora no julgamento do processo já acarretou a prescrição de dois crimes: o de resistência (artigo 329), imputado a Norberto Mânica, e o de frustração de direito assegurado por lei trabalhista (artigo 203), imputado a ele e a seu irmão.

Com MPF
.
------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).