Inicio » Montes Claros » Montes Claros – II Conferência Regional pelo Fim da Violência contra as Mulheres

Montes Claros – II Conferência Regional pelo Fim da Violência contra as Mulheres


Reviewed by:
Rating:
5
On 26 de novembro de 2015
Last modified:26 de novembro de 2015

Summary:

Montes Claros - II Conferência Regional pelo Fim da Violência contra as Mulheres

Montes Claros – II Conferência Regional pelo Fim da Violência contra as Mulheres

Na abertura de Conferência, pesquisadora revela que violência contra a mulher apresenta “números de guerra” no Brasil

II Conferência - Professora Cláudia Maia e Tânia Mara
II Conferência – Professora Cláudia Maia e Tânia Mara

.

VIATOTAL

ViaTotal

///////////////////////////

.

“Consideramos como números de guerra, observando que, antes do homicídio consumado, acontece a opressão, a agressão e o estupro. E os casos de morte registrados são, em sua maioria, de violência doméstica”. O comentário é da socióloga Tânia Mara Campos de Almeida, da Universidade de Brasília (UnB), durante a palestra que marcou a abertura oficial da II Conferência Regional pelo Fim da Violência contra as Mulheres, realizada na tarde dessa quarta-feira (25/11).

Na oportunidade, a pesquisadora apresentou números do Mapa da Violência 2015, elaborado pela “ONU Mulheres” ( – e divulgado oficialmente nesta quarta-feira. Os “números de guerra” citados por ela referem-se às 106.000 mil mortes violentas de mulheres registradas no Brasil nos últimos trinta anos.

O evento foi realizado no auditório do prédio 6, no campus-sede. A programação prossegue até esta quinta-feira (26), no mesmo espaço. Logo mais, às 19h30, acontece a mesa redonda sobre a principal reivindicação da II Conferência: a implantação do Juizado de Violência Doméstica e Familiar no município, prevista pela Lei 11.340/2006 (Lei Maria da Penha).

Mestre e doutora em Antropologia e pós-doutora em Representações Sociais, a professora Tânia Mara Campos explicou que o Brasil, atualmente, ocupa a quinta posição no ranking mundial de violência contra a mulher. “Historicamente, as mulheres negras e pobres são as principais vítimas neste tipo de crime”, acrescenta.

AMPLITUDE

Da comissão organizadora da II Conferência e coordenadora do Grupo de Pesquisa “Gênero e Violência” da Unimontes, a professora Cláudia de Jesus Maia, disse que o evento não se limita a discutir o tema e propor soluções. “A finalidade é muito mais ampla ao inserir a Academia como articuladora para a mudança de comportamento. Em 2011, na primeira conferência regional, como resultado, conseguimos incentivar a reabertura da Delegacia da Mulher em Montes Claros. Para este ano, o nosso propósito é fomentar a abertura do juizado”. A professora Maria Ângela Figueiredo Braga, diretora do Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA), também organiza o evento.

O reitor da Unimontes, professor João dos Reis Canela, presidiu a solenidade, acompanhado pelo vice-reitor, professor Antonio Alvimar de Souza. Ele destacou a inserção das universidades no debate: “a violência doméstica fere a dignidade da família brasileira e as instituições de ensino devem, insistentemente, fomentar as discussões para amenizar este trauma ou mesmo disseminá-lo de uma vez por todas”.

O diretor do Foro da Comarca de Montes Claros, juiz Richardson Xavier Brant, enalteceu a iniciativa da ministra Carmen Lúcia Antunes, do Supremo Tribunal Federal (STF), na implantação da campanha “Justiça pela Paz em Casa” – da qual a Unimontes faz parte –, juntamente com o Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras (CRUB).

“Mesmo diante das dificuldades e dos desafios enfrentados, há, sim, tentativas para solucionar a questão da violência doméstica. Mas, sobretudo, é preciso uma mudança, inadiável, da cultura frente à violência. O Judiciário, assim como a sociedade e a academia, precisa instigar esta necessidade de transformação”, disse o juiz.

A atração musical foi apresentada pelo professor Élcio Lucas, coordenador do mestrado em Estudos Literários da Unimontes, com poemas musicados do poeta espanhol Federico Garcia Lorca e da escritora montes-clarense Mariza Cardoso sobre o universo feminino.

.

O Boticário

///////////////////////////

.

O evento é organizado pela Unimontes por intermédio do Grupo de Pesquisa “Gênero e Violência”, do Grupo de Pesquisa em “Metodologia das Ciências Sociais, Violência e Criminalidade”, Mestrados em História e Desenvolvimento Social, Hospital Universitário Clemente de Faria (HUCF), Defensoria Pública de Minas Gerais, Polícia Civil, Programa Vira-Vida e Conselho Nacional – ambos do Sesiminas –, e a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese).

A solenidade de abertura contou também com as presenças da assessora de Gestão, Segurança e Proteção da Mulher (da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social), Andréa Veloso; do tenente William Pereira, representando o comandante do 10º Batalhão da PM, tenente coronel Éderson da Cruz Pereira; e a vice-presidente da União Popular de Mulheres de Montes Claros, Mariza Cantídio.

.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).