Inicio » Economia » Inflação de 10,48% em 12 meses é a maior desde 2003

Inflação de 10,48% em 12 meses é a maior desde 2003

Inflação de 10,48% em 12 meses é a maior desde 2003

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial no país, acelerou de 0,82% para 1,01% na passagem de outubro para novembro. É a maior taxa para o mês desde 2002, quando foi de 3,02%.

É a maior taxa para o mês desde 2002, quando foi de 3,02%
É a maior taxa para o mês desde 2002, quando foi de 3,02%

.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

.

No resultado acumulado em 12 meses, o índice chegou a 10,48%, o maior desde novembro de 2003, quando foi 11,02%. No ano, a taxa é de 9,62%, mais alta desde 2002. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira pelo IBGE.

O resultado veio acima do esperado pelo mercado. Analistas consultados pela Bloomberg News esperavam, em média, uma inflação de 0,95%, com estimativas entre 0,86% e 1,04%. Já a expectativa média para o resultado acumulado em 12 meses era de 10,42%, com taxas entre 10,32% e 10,50%.
Quase metade da alta da inflação (0,46 ponto percentual dos 1,01%) veio do grupo de alimentos, que subiu 1,83% em novembro. A segunda maior influência veio de transportes, com alta de 1,08% e impacto de 0,20 ponto percentual. Individualmente, o item que mais subiu em novembro foi combustível, com aumento de 4,16% e impacto de 0,21 ponto percentual.
Entre os combustíveis, o preço da gasolina avançou 3,21% (impacto de 0,13 ponto percentual. Quando se considera os meses de outubro e novembro, o preço ficou 8,42% mais caro, diante do reajuste de 6% nas refinarias em 30 de setembro. Já o preço do etanol variou 9,31% em novembro, com impacto de 0,08 ponto percentual.
.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

.
No grupo de transportes, a influência veio dos combustíveis, mas também das tarifas de ônibus urbanos, que subiram 1,11%. A alta reflete reajustes em Fortaleza, Belo Horizonte e Campo Grande.
Nos alimentos — que têm peso de 25% no IPCA —, o preço daqueles para consumo em casa subiu 2,46%, enquanto a alimentação fora do domicílio subiu 0,70%. Entre os itens, a maior alta em novembro foi da batata-inglesa, de 27,46%, seguida pelo tomate (24,65%) e açúcar cristal (15,11%).
ALIMENTOS, ENERGIA E COMBUSTÍVEIS – Metade da alta da inflação em 12 meses (51,34%) veio apenas de alimentos, energia elétrica e combustíveis. Da taxa de 10,48%, pouco menos de um terço (27,39%) veio de alimentos, 14,41% de energia elétrica e 9,54% de combustíveis.
Nos 12 meses encerrados em novembro, os preços de alimentos subiram 11,56%, enquanto a energia elétrica teve alta de 51,27%. A energia teve individualmente a maior influência na alta do IPCA no período, com impacto de 1,51 ponto percentual dos 10,48%.
No mês de novembro, o preço da energia elétrica subiu 0,98%, puxada pelo aumento de 7,47% no Rio de Janeiro por causa do reajuste de 16% a partir de 7 de novembro, pela alta de 2,39% em Porto Alegre, também com reajuste de 5,82% a partir de 25 de outubro e pela variação de 0,17% em São Paulo, com reajuste de 15,50% a partir de 23 de outubro na tarifa de uma das concessionárias. Com aumento de energia, o grupo Habitação registrou alta de 0,76% em novembro.
O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) — que considera a inflação para as famílias com renda domiciliar de até cinco salários mínimos — acelerou frente a outubro e subiu 1,11% em novembro. Com isso, o resultado acumulado no ano chegou a 10,28%, enquanto a taxa em 12 meses foi de 10,97%. Em outubro, o resultado acumulado em 12 meses tinha sido menor, de 10,33%. Nesse indicador, os preços de alimentos subiram 1,98% em novembro, ante 0,80% em outubro.
No mês de outubro, a inflação acumulada em 12 meses tinha escapado por pouco dos dois dígitos, ao ficar em 9,93%. A última pesquisa Focus, realizada semanalmente pelo Banco Central, elevou pela 12ª semana seguida a previsão para o IPCA de 2015. O boletim divulgado na segunda-feira indica que a taxa fechará o ano em 10,44%. Em 2016, de acordo com a mediana das previsões, a inflação também ficará em 6,7%, acima do teto da meta do governo. A meta oficial de inflação é de 4,5%, podendo variar dois pontos para cima ou para baixo. Em caso de descumprimento da meta, o BC é obrigado a fazer explicações públicas.
Considerado a prévia da inflação oficial, o IPCA-15 ficou em 0,85% em novembro — maior taxa para o mês desde 2010 (0,86%). O resultado mostrou uma aceleração frente a outubro, quando ficou em 0,66%. No ano, a taxa acumulou 9,42% — índice mais elevado para o período desde 1996 (9,70%). De janeiro a novembro de 2014, o índice ficara em 5,63%. Em 12 meses, a alta de preços passou dos dois dígitos e chegou a 10,28%, também o maior resultado desde novembro de 2003 (12,69%).
.
------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Montes Claros – Confira os destaques policiais das últimas 24h

Montes Claros – Confira os destaques policiais das últimas 24h

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 7 de dezembro de 2016.Montes Claros – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).