Inicio » Nacional » Violência contra a Mulher – Ela controla a tornozeleira eletrônica do marido

Violência contra a Mulher – Ela controla a tornozeleira eletrônica do marido

Violência contra a Mulher – Ela controla a tornozeleira eletrônica do marido

No Brasil, dois estados adotaram o Monitoramento Eletrônico (tornozeleira eletrônica) como forma de inibir a violência contra as mulheres: Minas Gerais e Pernambuco.

No Brasil, dois estados adotaram o Monitoramento Eletrônico (tornozeleira eletrônica) como forma de inibir a violência contra as mulheres: Minas Gerais e Pernambuco
No Brasil, dois estados adotaram o Monitoramento Eletrônico (tornozeleira eletrônica) como forma de inibir a violência contra as mulheres: Minas Gerais e Pernambuco

Hoje falarei sobre um assunto que me chamou atenção nesta semana. Tudo se iniciou quando eu estava em um evento e comecei a conversar com uma mulher. Ela estava conversando normalmente, muito tranquila com um aparelho nas mãos. Inicialmente, pensei que era um aparelho celular, mas vi que o equipamento tinha uma luz que piscava. Curiosa, perguntei que aparelho era aquele, quando a mulher respondeu: “´É o aparelho que controla a tornozeleira eletrônica do meu ex-marido.”

A tranquilidade e a confiança que a mulher estava com aquele equipamento nas mãos, me fez ver que essa era mais uma medida de proteção efetiva às mulheres vítimas de violência, e deveria ser divulgada à sociedade como forma de encorajamento às mulheres para denunciar a violência sofrida. Por isso, fui em busca das informações sobre essa medida de proteção e em que circunstâncias a tornozeleira eletrônica pode ser utilizada.

No Brasil, dois estados adotaram o Monitoramento Eletrônico (tornozeleira eletrônica) como forma de inibir a violência contra as mulheres: Minas Gerais e Pernambuco. Em Pernambuco, a adoção desse mecanismo integra o programa Justiça para as Mulheres: Agora e Sempre, lançado no dia 23 de setembro de 2013. Ele tem como objetivo reforçar as estratégias adotadas no Plano Estadual para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra as Mulheres, e fortalecer a integração entre todas as partes envolvidas no enfrentamento a violência contra a mulher.

Em 05/10/2015 foi publicada a portaria conjunta da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (SEJUDH) e da Secretaria da Mulher PE sobre o Monitoramento Eletrônico da Lei Maria da Penha. Na referida portaria, há a competência de cada secretaria na execução dessa medida de proteção.

O QUE É O MONITORAMENTO ELETRÔNICO DA LEI MARIA DA PENHA?

O Monitoramento Eletrônico da Lei Maria da Penha é uma Medida Protetiva de Urgência deferida via decisão judicial, com o intuito de salvaguardar a integridade física e psicológica das mulheres vítimas de violência doméstica.

COMO INICIA O MONITORAMENTO ELETRÔNICO?

O Monitoramento Eletrônico dos casos previstos na Lei Maria da Penha é uma medida cautelar que se inicia após deferida via decisão judicial. Após o deferimento da medida, as varas enviam a decisão judicial e um ofício à ecretaria de Ressocialização (SERES)  e à Secretaria da Mulher-PE.

PRAZO DO MONITORAMENTO ELETRÔNICO

O prazo costuma variar entre 90 a 120 dias, podendo ser prorrogado pela justiça pelo tempo necessário para garantir a segurança da ÁREA DE ALCANCE DO MONITORAMENTO:

» Área de exclusão para o agressor: casa, trabalho, escola e outros locais de circulação frequentes da vítima (esses são os locais em que o agressor NÃO poderá frequentar)

» Tamanho das áreas de exclusões da vítima (são distâncias que o agressor NÃO pode se aproximar da vítima)

Área fixa – de 2 Km a 5 km
Área móvel – 500m

EM QUE PRINCIPAIS SITUAÇÕES SÃO DEFERIDOS O MONITORAMENTO ELETRÔNICO ?

» Risco iminente à vida e à integridade física e psicológica da vítima;
» Quando o agressor é contumaz e reincidente;
» Descumprimento de Medida Protetiva de Urgência.

DEPOIS  DE DEFERIDA A MEDIDA DO MONITORAMENTO ELETRÔNICO, O QUE ACONTECE?

Depois da decisão judicial deferindo o Monitoramento Eletrônico, cabe ao Centro de Monitoramento de Reeducandos- (CEMER), a Gestão do monitoramento  eletrônico. O CEMER entrega a tornozeleira eletrônica para os agressores; ativa e desativa os equipamentos de monitoração da vítima e agressor; constrói as áreas de inclusão/exclusão dos agressores; acompanha os deslocamentos dos agressores por 24hs; comunica as violações à Vara de Violência contra a Mulher e a Secretaria da Mulher; Aciona o CIODS para os casos dos agressores violadores das regras do Monitoramento Eletrônico, com o objetivo de recolhê-los à Unidade Prisional, etc.

A Secretaria da Mulher, através do acompanhamento do processo e indicação ao CEMER, realizará atendimento, repassará orientações, fará a entrega do equipamento (UPR) e acompanhará a vítima durante a execução do Monitoramento Eletrônico. O agressor começará a usar a tornozeleira eletrônica e a mulher receberá um dispositivo eletrônico que pode ser levado na bolsa. Assim, quando se afastar de onde está protegida, como sua residência ou local de trabalho, a central de monitoramento detectará a aproximação do agressor e então tomará atitudes para evitar uma nova agressão.

O aparelho de Monitoramento Eletrônico utilizado pela vítima emite dois tipos de sinais, o luminoso e o vibratório. Esses sinais são emitidos quando o agressor infringe os limites estipulados na decisão judicial. Imediatamente, o CEMER recebe os sinais e aciona o CIODS, para evitar novas agressões. No Estado de Pernambuco, esses são os números das decisões judiciais deferindo o Monitoramento Eletrônico na Lei Maria da Penha:

» Em 2014 foram 121 decisões judiciais favoráveis ao uso do Monitoramento Eletrônico, ou seja, 121 mulheres beneficiadas com a medida cautelar.

» Em 2015 até o dia 16/12/15, foram 136 decisões judiciais favoráveis ao uso do Monitoramento Eletrônico, também 136 mulheres beneficiadas com a medida cautelar.

Com isso, observamos que o Estado de Pernambuco é um dos pioneiros no deferimento da medida cautelar do Monitoramento Eletrônico na Lei Maria da Penha. O Poder Judiciário, juntamente com a Secretaria de Ressocialização e a Secretaria da Mulher estão trabalhando em conjunto, e de forma exitosa no combate à Violência contra a Mulher.

Quando iniciei o texto e narrei sobre aquela mulher que estava com o equipamento eletrônico, testemunhei a tranquilidade e segurança que aquele aparelho representava para ela. Muitas mulheres têm medo de denunciar porque dizem que o agressor irá matá-la. O que posso dizer é justamente o contrário, ele irá matá-la se você não o denunciar.

O Monitoramento Eletrônico é mais uma medida de proteção eficiente e eficaz que irá protegê-la do agressor. Você estará 24 horas monitorada, e se ele descumprir, será preso. Então, estamos mostrando diversas formas de Medidas Protetivas existentes na Lei Maria da Penha. Mas, a decisão do primeiro passo é sua. O que posso te dizer é que as medidas funcionam, por isso, acredite, dê uma chance a sua vida, supere a sua dor e transforme a sua vida. Procure ajuda e siga em frente, porque a solução já existe, sua felicidade depende do seu primeiro passo, DENUNCIE!

“VOCÊ NÃO ESTÁ SOZINHA”

TELEFONES ÚTEIS

» Central de Atendimento à Mulher do Governo Federal – 180

» Polícia – 190 (se a violência estiver ocorrendo)

*As colunas assinadas não refletem, necessariamente, a opinião do Jornal Montes Claros

Por Gleide Ângelo desde Pernambuco

.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

.

 

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).