Inicio » Colunistas » Alberto Sena » Coluna do Alberto Sena – Montes Claros vítima de si mesma

Coluna do Alberto Sena – Montes Claros vítima de si mesma

Coluna do Alberto Sena – Montes Claros vítima de si mesma

Coluna do Alberto Sena - Montes Claros vítima de si mesma
Coluna do Alberto SenaMontes Claros vítima de si mesma

.

Ano passado tive de fazer a mesma coisa, fui a Montes Claros atender a exigência do INSS “para fazer prova de vida”. Dizer que estou vivinho da Sílvia. A não realização do procedimento “acarretará na suspensão do crédito do benefício”, advertia. Um ano já se passou e continuo não entendendo por que Grão Mogol não tem agência da Caixa Econômica Federal (CEF).

Grão Mogol é município muito mais velho do que a maioria dos que o cercam e, no entanto, é relegado como se uma agência lotérica fosse suficiente para resolver as questões bancárias. Não, não é suficiente, tanto não o é que tive de me arrancar daqui “para fazer prova de vida” numa agência bancária de Montes Claros.

Em Montes Claros, logo cedo, fui à CEF na Rua Dr. Santos, lá aonde décadas atrás havia uma casa em estilo colonial, sede do extinto “O Jornal de Montes Claros”. Precisava me informar sobre o horário de abertura da agência. Eram 8h e já havia fila na porta. Informaram-me que o banco abriria as portas às 11h.

Achei que era como em Belo Horizonte, onde os bancos abrem as portas aos clientes às 10h. Resultado, eu tive que ficar perambulando pelas ruas àquela hora ainda calmas. Voltei à agência pouco depois das 9h e encontrei uma fila enorme e nela entrei até que fui informado de que “para prova de vida o atendimento é às 10h”.

Entrei na agência e fiquei na fila própria dos “prioritários”. Enquanto aguardava a recomendação de ir ao andar de cima, fiquei imaginando ali dentro onde ficava a redação do JMC daquela época, final da década de 60, início da de 70. Vi a sala de Oswaldo Antunes, de Waldyr Senna e Lazinho Pimenta na redação catando teclas. Pude tornar a ver a oficina com o Tião Camurça no comando da impressora.

Ali em pé, vendo o vaivém de gente, foi como um exercício de regressão. Por algum tempo, nem sei precisar, me vi ali na porta da casa velha de propriedade do empresário, poeta/escritor Luiz de Paula Ferreira. Vi-me à entrada da casa em conversas com Demerval, Baiano chamado; Rui e Toninho Barbosa, filhos do advogado Orestes Barbosa, ao mesmo tempo em que observava o movimento da rua de então.

Naquela época, a Rua Doutor Santos era uma passarela de moças bonitas. Aliás, Montes Claros sempre foi lugar de mulher bonita. Essa fama corre o Brasil. Ao contrário de hoje, naquela época os carros desciam a rua. O trânsito de veículos era pequeno e não havia os ônibus lotação. Potencialmente, sabia-se que a cidade iria “explodir”, mas ainda oferecia boa qualidade de vida.

Ao deixar a agência bancária dei de cara com a realidade nua e crua. Posso resumir numa palavra o que vi e ouvi: loucura. Há muito não ouvia tanto barulho. Era o motor do carro-forte estacionado à porta da agência; era a disputa de som entre uma casa comercial e outra próxima; era o som do vendedor de DVD pirata; era o ciclista levando uma caixa de som estridente com propaganda (ridículo isso, só aumenta a poluição sonora); eram os palhaços contratados por uma operadora de celular gritando, distribuindo panfletos logo jogados no chão.

Uma loucura, eu repito. Fiquei com vontade de sair correndo para longe dali. Toda essa barulheira somada ao vaivém de transeuntes disputando espaço com carros, ônibus, motocicletas e bicicletas. Foi à própria constatação do que fora previsto décadas atrás sobre o futuro de Montes Claros. A diferença é a de que, naquela época, ninguém podia imaginar a possibilidade de a cidade tornar-se inviável.

Para fugir do hospício, quer dizer, da barulheira dali da porta da agência bancária, onde esperava condução, desci a Rua Dr. Santos e passei pela Praça Dr. Carlos. Que decepção! E pensar que foi uma das praças mais bonitas de Montes Claros. Fiquei devera contristado. Mas mais ainda fiquei ao chegar à Praça Dr. Chaves, chamada também Praça da Matriz. Transmudada para pior, fonte seca, mal cuidada. Nem parecia a praça daqueles bons tempos da Escola Normal Professor Plínio Ribeiro, no sobrado onde é hoje o Museu Regional do Norte de Minas.

Em determinados pontos da cidade o trânsito se parece com o de certos lugares da Índia vistos em vídeo circulante na internet. A essa altura, é de duvidar da eficácia de um plano diretor anunciado pela administração atual. Será que vai conseguir pôr termo à desumanização da cidade? Montes Claros perdeu o time. É vítima de si mesma, isto é, de seguidas administrações malfadadas.

Por Alberto Sena

Alberto Sena
Alberto Sena

.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).



Um comentário

  1. Alberto realmente uma loucura o que voce relata um local onde Nao tem ordem, vai ocorer esta baderna.