Inicio » Colunistas » Dr. Eduardo Freitas » Coluna do Dr. Marcelo Freitas – Adeus Ano Velho!

Coluna do Dr. Marcelo Freitas – Adeus Ano Velho!

Coluna do Dr. Marcelo Freitas – Adeus Ano Velho!

Mais um ano está na iminência de chegar ao fim. O Brasil, enquanto nação politicamente organizada, passou por momentos de extremada turbulência. O cenário político e econômico foi dos piores possíveis. Falta-nos educação pública de qualidade. A violência a todos nós tem assustado. O desemprego novamente bate à porta das famílias brasileiras. A saúde está um caos. A nossa justiça anda capenga. A nossa carga tributária é uma das mais altas do planeta. A polícia continua corrupta. A política… Também! Confesso que o cenário seria desanimador, não fosse a vida que se renova a cada dia.

Vivemos em ciclos que se completam. Que se fecham para, adiante, serem reabertos. Uns morrem, outros tantos (ou mais) nascem. A noite é contraposta pela manhã. A destruição pela reconstrução. A tristeza pela alegria. O fim é sobreposto pelo início. Não obstante nossas reações, por vezes desesperadas, os ciclos abertos se fecharão. É tempo, assim, de nos desprendermos de tudo o que de ruim nos aconteceu no velho ano.

Caro leitor, o ano novo só se inicia, de fato, quando nos desamarramos dos anacrônicos vícios que carregamos dentro de nossos corações. É tempo de ressurreição. Façamos do dia primeiro de janeiro um dia de libertação e começo de uma nova vida. De superação e busca por dias menos tumultuados. Como ensina-nos Carlos Drummond de Andrade, “para sonhar um ano novo que mereça este nome, você, meu caro, tem de merecê-lo, tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil, mas tente, experimente, consciente. É dentro de você que o ano novo cochila e espera desde sempre.”

Não adianta, dessa maneira, desejar feliz ano novo se cometermos os mesmos vícios do ano pretérito. É preciso sabedoria e autocrítica para fazer com que as conquistas sejam realmente merecidas. O nosso futuro, destarte, não poderia ser diferente, resultará sempre de nossas escolhas. Certas ou erradas, elas são “tão somente nossas escolhas”. Paradoxalmente, esqueça o destino, sem jamais subestimá-lo!

Albert Einstein dizia que “quem nunca errou nunca experimentou nada novo”. Se necessário, que erremos no ano vindouro. Mas contemplemos o novo, sem medos desnecessários. Como ensina-nos Buda, a lei da mente é implacável. O que você pensa, você cria; O que você sente, você atrai; O que você acredita, torna-se realidade. Que tenhamos muita saúde. Mais amor ao falar. Mais paciência ao ouvir. Mais cautela ao lidar. Mais roupa bonita para usar. Mais corações para conquistar. Mais amigos de verdade. Mais sorrisos verdadeiros. Mais amores leais. Mais verdade. Muito mais verdade. E só! Já nos será suficiente! Precisamos realmente tentar!

Martin Luther King afirmava que “é melhor tentar e falhar que ocupar-se em ver a vida passar. É melhor tentar, ainda que em vão, que nada fazer. Eu prefiro caminhar na chuva a, em dias tristes, me esconder em casa. Prefiro ser feliz, embora louco, a viver em conformidade. Mesmo as noites totalmente sem estrelas podem anunciar a aurora de uma grande realização. Mesmo se eu soubesse que amanhã o mundo se partiria em pedaços, eu ainda plantaria a minha macieira. O ódio paralisa a vida; o amor a desata. O ódio confunde a vida; o amor a harmoniza. O ódio escurece a vida; o amor a ilumina. O amor é a única força capaz de transformar um inimigo num amigo…”.

Em conclusão a este breve adeus ao velho e calorosa recepção ao novo, não é por demais finalizar com o poema A Pedra, cuja versão originária é atribuída a Antônio Pereira Apon, mas aqui é livremente retratada: O distraído nela tropeçou. O bruto a usou como arma. O empreendedor a usou para construção. O camponês dela fez um assento. Michelangelo dela fez uma escultura. Davi com ela matou o gigante. Jesus mandou removê-la para ressuscitar Lázaro. Observe, assim, que a diferença não está na pedra, mas na atitude das pessoas! Não existe “pedra” no seu caminho que não possa ser aproveitada para o seu próprio crescimento. Que Deus, Senhor da Verdade e da Razão, nos dê a necessária sabedoria para compreender o que fazer com cada uma das pedras que encontrarmos em nossas vidas, tornando-as, deste modo, alicerces para a construção de um mundo melhor. Que enterremos o ano de 2015 pressentindo o que fazer com as próximas pedras! Boas festas a todos nós. E que venha 2016!

* Dr. Marcelo Eduardo Freitas – Delegado de Polícia Federal e Professor da Academia Nacional de Polícia

Dr. Marcelo Freitas
Dr. Marcelo Freitas

.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

MG - Jovem inventa que mãe está passando mal para estuprar vizinha

MG – Jovem inventa que mãe está passando mal para estuprar vizinha

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 5 de dezembro de 2016.MG – Jovem …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).