Inicio » Mais Seções » Tecnologia » Facebook quer impedir vendas de armas entre particulares em sua rede

Facebook quer impedir vendas de armas entre particulares em sua rede

 

O Facebook quer impedir que sua rede social e aplicativo de compartilhamento de fotos Instagram sejam utilizados como um meio para negociar a venda de armas entre particulares.

Facebook quer impedir vendas de armas entre particulares em sua rede
Facebook quer impedir vendas de armas entre particulares em sua rede

PUBLICIDADE

///////////////////////////

O grupo americano atualizou na sexta-feira suas regras de uso, que agora proíbem os usuários que não são licenciados a utilizar o Facebook para oferecer armas à venda ou negociar transações entre indivíduos.

“Nos últimos dois anos, cada vez mais pessoas passaram a utilizar o Facebook para encontrar produtos e para comprar e vender coisas uns dos outros”, explicou Monika Bickert, chefe do setor de políticas de produtos do Facebook, em um e-mail à AFP.

“Atualizamos nossas regras para produtos regulamentados de forma a refletir esta evolução”, acrescenta ela.

As novas regras não afetarão os comerciantes licenciados para vender armas, que continuarão a mostrar o seu catálogo na rede, que conta com 1,59 bilhão de membros.

O Facebook tem regras semelhantes para outros produtos cuja venda é regulamentada, como medicamentos que requerem receita médica, ou para drogas ilegais.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

Facebook e Instagram já haviam restringido em 2014 as publicações sobre a compra e venda de armas a apenas os seus usuários com mais de 18 anos.

No entanto, a rede social tem sofrido forte pressão política nos Estados Unidos para impedir as pessoas de contornar as leis que regem a venda de armas ou a verificação de antecedentes criminais dos compradores.

Os movimentos que defendem um maior controle da venda de armas de fogo o aplaudiram o anúncio.

“Um grande sinal positivo ao Facebook por este passo importante!”, declarou em um comunicado Dan Gross, presidente da campanha Brady contra a violência com armas de fogo, cujo nome foi escolhido em homenagem a um ex-porta-voz da Casa Branca que se tornou militante da causa.

Segundo ele, a alteração feita pelo Facebook “vai ajudar a prevenir que armas de fogo cheguem às mãos de pessoas perigosas”.

Um outro movimento, Moms Demand Action, também elogiou a mudança, fruto, de acordo com o grupo, de dois anos de pressão concentrada na rede.

Esses avanços conduzem “a novas políticas para reduzir a exposição das crianças às armas de fogo e esclarecer as leis estaduais em todo da venda e compra de armas online”, declarou a fundadora do movimento, Shannon Watts.

Outra organização disse ter realizado uma investigação secreta que mostrou que um grande número de criminosos procuravam e obtinham na internet armas ilegalmente.

Barack Obama ressaltou no início de janeiro a “urgência absoluta” de agir sobre a questão das armas de fogo nos Estados Unidos, revelando uma série de medidas para melhor o monitoramento e controle de sua venda.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Dr. Marcelo Eduardo Freitas

Coluna do Dr. Marcelo Freitas – As dimensões do tempo e a maior do do mundo

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 5 de dezembro de 2016.Coluna do Dr. …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).