Inicio » Mais Seções » Tecnologia » O Facebook quer acabar com o “CLICKBAIT”, e você não vai acreditar no resultado

O Facebook quer acabar com o “CLICKBAIT”, e você não vai acreditar no resultado

 

Quantas vezes você clicou num post do Facebook com uma “história incrível” cujo final “você não vai acreditar” mas terá que entrar no site ou curtir a página para ver o resultado?

O Facebook quer acabar com o “CLICKBAIT”, e você não vai acreditar no resultado
O Facebook quer acabar com o “CLICKBAIT”, e você não vai acreditar no resultado

PUBLICIDADE

///////////////////////////

Essa técnica canalha para conseguir a atenção do internauta é conhecida na ~rede mundial de computadores ~como “clickbait” (ou isca para cliques, como explicaria a repórter da Globo). O dono do site ou administrador da fanpage quer aumentar seus likes/pageviews e apela para a curiosidade (ou inocência do usuário). O Facebook quer acabar com isso.

Para começar, o Facebook sabe que você clicou naquele link e logo depois saiu da página, frustrado. E o algoritmo da rede social entende que você tomou uma ação e não obteve o resultado que esperava. Por isso, o Facebook reformulou Feed de Notícias (que é a parte do meio quando você loga no seu perfil, onde ficam todos os posts) para que somente as postagens mais relevantes para VOCÊ fiquem no topo.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

“Em geral, páginas devem evitar encorajar as pessoas a tomar ações (como encorajar um monte de cliques), porque isso provavelmente causará apenas picos temporários nas métricas, que poderão, então, ser balanceadas novamente pela classificação do feed ao longo do tempo”, explica o Facebook. Ou seja, sites de notícias que, por exemplo, não dão a notícia logo de cara (do tipo, “veja quem fará uma participação especial no novo álbum da Rihana”, ou “Diretor finalmente revela segredo da produção de Alien”), deverão evitar esse comportamento.

“De forma geral, esta atualização não deve impactar significativamente no alcance ou o tráfego de referência para a maioria de páginas. No entanto, algumas páginas podem perceber aumento no tráfego de referência, e algumas páginas podem ver queda no tráfego de referência. Essas páginas verão um declínio no tráfego de referência se a taxa em que suas histórias são clicados não coincidir com o quanto as pessoas relatam que querem ver essas histórias perto do topo de seu Feed de Notícias. Esta atualização ajuda a reequilibrar esses dois fatores, para que as pessoas vejam histórias relevantes para eles”, explica o comunicado do Facebook.

A própria comunidade já estava tomando ações em relação a esse tipo de postagem. É muito comum, por exemplo, ver usuários postando um resumo da matéria nos comentários do post, só para que ninguém precise dar um pageview para o site que postou a notícia.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Norte de Minas - Sistema Sedinor/Idene, Codevasf e a Epamig promovem seminário para discutir o futuro da macaúba na região Norte de Minas

Norte de Minas – Sistema Sedinor/Idene, Codevasf e a Epamig promovem seminário para discutir o futuro da macaúba na região Norte de Minas

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016.Norte de Minas …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).