Inicio » Mais Seções » Ciência » Comunicado na Science faz alerta para bactéria que reduz ação do Aedes aegypti

Comunicado na Science faz alerta para bactéria que reduz ação do Aedes aegypti

Pesquisas têm mostrado que a bactéria Wolbachia, ao ser inserida no mosquito Aedes aegypti, é capaz de reduzir a transmissão dos vírus da dengue, chicungunha e zika.

Ao ser injetada para o Aedes, bactéria Wolbachia pode ser transferida para outras espécies
Ao ser injetada para o Aedes, bactéria Wolbachia pode ser transferida para outras espécies

PUBLICIDADE

///////////////////////////

Apesar do resultado animador, um comunicado publicado ontem na revista Science sugere que mais investigações sobre essa bactéria precisam ser desenvolvidas antes de se liberarem mais Aedes infectados.

“Nosso estudo mostrou que ocorrem transferências da Wolbachia para outras espécies e que é necessário analisar um pouco mais antes de se liberarem mosquitos com a bactéria em quantidades massivas porque há a possibilidade de ocorrência de consequências não esperadas”, alerta o biólogo Gabriel Wallau, do Departamento de Entomologia da Fiocruz Pernambuco.

Um dos autores do comunicado, ele cita como exemplo a possibilidade de a Wolbachia diminuir a longevidade do mosquito e, ao ser transferida para uma espécie de importância econômica, também diminuir o tempo de vida dela. “E se alguma delas, que são muito importantes para a polinização de grandes lavouras, forem extintas por causa da transferência da bactéria?”, questiona. “Essa é a nossa preocupação.”

Mais da metade dos insetos do mundo possuem algum tipo de Wolbachia, que não está presente naturalmente no Aedes. O grupo de cientistas do programa internacional Eliminar a dengue: nosso desafio, do qual o Brasil participa, comprovou em laboratório que, injetada no mosquito, a bactéria impede a propagação dos vírus que transmite dengue, chicungunha e zika. “Não estamos dizendo que a Wolbachia já liberada está sendo transferida para outras espécies. A questão é que, olhando outros tipos de Wolbachia, há muita transferência”, ressalta.

Segundo o pesquisador, os efeitos do deslocamento da bactéria são ainda desconhecidos, mas é pouco provável que esse micro-organismo traga danos diretos para o ser humano. “Mas pode trazer consequências para o meio ambiente, para alguns insetos que são importantes para o homem e para outros que fundamentais para manter equilíbrio da natureza.” Outro detalhe, segundo Gabriel Wallau, é que não há legislação específica para liberação de Wolbachia.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

O biólogo também menciona os mosquitos transgênicos. “Podemos controlá-los. Uma vez soltos, eles vão morrer e não passarão danos para o ambiente; só vão diminuir a população do mosquito”, assegura Gabriel.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Nova música de Sia traz letra que empodera mulheres

Nova música de Sia traz letra que empodera mulheres

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 5 de dezembro de 2016.Nova música de …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).