Inicio » Economia » Governo anuncia que medicamentos vão subir até 12,5%

Governo anuncia que medicamentos vão subir até 12,5%

Consumidores devem ficar atentos esta semana. Nesta quinta-feira (31), o Ministério da Saúde vai anunciar o reajuste anual dos medicamentos, baseado em uma nova metodologia. O órgão não dá detalhes sobre os percentuais, mas o mercado estima que o aumento será de até 12,5% – pela primeira vez, acima da inflação do período.

Governo anuncia que medicamentos vão subir até 12,5%
Governo anuncia que medicamentos vão subir até 12,5%

PUBLICIDADE

///////////////////////////

Desde o ano passado, uma resolução da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), do governo federal, alterou as variáveis do cálculo do aumento. Este ano, a nova resolução esperada para esta semana deverá incluir o agendamento do reajuste: sempre ocorrerá no dia 31 de março de cada ano. Houve ainda alteração dos detalhes dos fatores que compõem a fórmula.

Procurado pelo Jornal Montes Claros, o Ministério da Saúde não deu detalhes sobre o cálculo, nem sobre os percentuais que resultaram dele ou como será, efetivamente, a aplicação nos preços para o consumidor. Porém, em encontro com representantes do Sindicato da Indústria de Farmacêuticos de São Paulo (Sindusfarma) na semana passada, o secretário-executivo da CMED, Leandro Safatle, confirmou o percentual de 12,5% – o que levaria o aumento dos remédios a ultrapassar a inflação do período pela primeira vez (veja gráfico abaixo). Ele informou também que a nova lista de medicamentos deve estar disponível no dia 10 de abril.

Os 12,5% como teto do reajuste também estão nas contas da Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), que congrega 56 laboratórios, que respondem por 82% do mercado dos medicamentos de referência e por 33% dos genéricos. De acordo com a Interfarma, influenciaram no cálculo a inflação (IPCA) acumulada entre março de 2015 e fevereiro de 2016, de 10,36%, e detalhes dos fatores.

“O primeiro fator considera a produtividade da indústria, que fora positiva nos últimos anos. Já o segundo se baseia na concorrência das classes terapêuticas para estabelecer faixas distintas de reajustes. Por último, o terceiro fator pondera forças econômicas como câmbio e energia elétrica na equação. Desta vez, a produtividade da indústria foi negativa, ou seja, a mão de obra contratada produziu menos que no ano anterior”, informou a entidade em nota à imprensa.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

Mesmo com a alta chegando em um momento crítico da economia do País e das finanças pessoais dos consumidores, muitos deles desempregados, o presidente-executivo da Interfarma, Antônio Britto, argumenta que o acumulado dos reajustes dos medicamentos dos últimos 10 anos continua abaixo do IPCA. Segundo ele, nesse período a inflação somou 79,3%, enquanto os reajustes da CMED foram de 61,2%.

A entidade pontua, ainda, que “os descontos praticados pelo mercado devem influenciar o preço final”. “Como esse mercado é muito competitivo, os preços ficam sempre abaixo do índice de reajuste”, explica Britto.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Nova música de Sia traz letra que empodera mulheres

Nova música de Sia traz letra que empodera mulheres

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 5 de dezembro de 2016.Nova música de …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).