Inicio » Nacional » SUS perde 23 mil leitos hospitalares em 5 anos, diz CFM

SUS perde 23 mil leitos hospitalares em 5 anos, diz CFM

Um levantamento feito pelo CFM (Conselho Federal de Medicina) aponta uma queda de 23.565 leitos hospitalares na rede pública nos últimos cinco anos, o que equivale a cerca de 13 leitos a menos por dia.

Em dezembro de 2010, o país tinha 335.482 leitos para uso exclusivo do SUS (Sistema Único de Saúde). Já em dezembro de 2015, esse número diminuiu para 311.917 -uma queda de 7,5%.
Já a rede privada teve aumento de 2.210 leitos no mesmo período. Os dados foram levantados pelo conselho a partir do CNES (Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde), base de dados do Ministério da Saúde.

SUS perde 23 mil leitos hospitalares em 5 anos, diz CFM
SUS perde 23 mil leitos hospitalares em 5 anos, diz CFM

 

Ao todo, 19 Estados registraram queda de leitos neste período. Já as especialidades que tiveram maior redução de leitos foram obstetrícia, psiquiatria, pediatria cirúrgica e cirurgia geral. Só de obstetrícia, são 5.021 leitos a menos no período.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

Para o CFM, a queda acaba por trazer maior demora no atendimento de pacientes, além de atrasos no diagnóstico e início do tratamento. Nos últimos anos, o Ministério da Saúde tem dito que a diminuição no número de leitos segue uma tendência mundial, relacionada a mudanças no modelo de atenção em saúde, com o avanço das ações de prevenção, por exemplo.

Em alguns casos, a redução também faz parte de políticas de saúde. É o caso da lei da reforma psiquiátrica, que prevê o fechamento de hospitais psiquiátricos no país, o que leva à redução de leitos dessa especialidade.

Queda de leitos 

Segundo dados dos CFM, a queda no número de leitos tem crescido nos últimos anos. Levantamento anterior da pasta, feito em 2014, apontava 14 mil leitos a menos nos cinco anos anteriores, por exemplo.

O novo balanço também traz dados dos Estados e regiões do país. Em geral, o Sudeste teve a maior redução no período. No Rio de Janeiro, por exemplo, são 7.000 leitos a menos nos últimos cinco anos, de acordo com o levantamento.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

No Distrito Federal, 807 leitos foram desativados. O número representa cerca de 20% do total de leitos existente na rede.

Ao mesmo tempo, oito Estados tiveram aumento no número de leitos. São eles: Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, Espírito Santo, Amapá, Mato Grosso do Sul e Tocantins.

Enquanto houve queda nos leitos de internação entre 2010 e 2015, os leitos de observação –utilizados como suporte para o atendimento de urgência ou em consultas– e de UTI cresceram nesse mesmo período. No primeiro caso, o aumento é de 14%. Já os leitos de UTI cresceram 23% –passaram de 33.425 em dezembro de 2010 para 40.960 em 2015.

Para o conselho, no entanto, a quantidade oferecida desses leitos ainda é insuficiente para atender a população.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).