Inicio » Minas Gerais » MG – Autoridades da Polícia Militar vão discutir uso do farol baixo nas rodovias mineiras

MG – Autoridades da Polícia Militar vão discutir uso do farol baixo nas rodovias mineiras


Reviewed by:
Rating:
5
On 19 de julho de 2016
Last modified:19 de julho de 2016

Summary:

MG - Autoridades da Polícia Militar vão discutir uso do farol baixo nas rodovias mineiras

MG – Autoridades da Polícia Militar vão discutir uso do farol baixo nas rodovias mineiras

Comandantes da corporação se reúnem nesta terça-feira para falar sobre fiscalização. Pernambuco e Distrito Federal já tomaram decisões de suspender multas.

MG - Autoridades da Polícia Militar vão discutir uso do farol baixo nas rodovias mineiras
MG – Autoridades da Polícia Militar vão discutir uso do farol baixo nas rodovias mineiras

 

Depois de duas unidades da federação terem deixado de emitir multas para motoristas que trafegarem com o farol baixo desligado durante o dia, a Polícia Militar Rodoviária de Minas Gerais (PMRv) vai discutir, em reunião hoje, qual posicionamento deverá ser adotado diante das regras da Lei Federal 13.290/2016, que trata do assunto.

VIATOTAL

ViaTotal

///////////////////////////

Em Pernambuco, a decisão de suspender as multas foi tomada pelo governo local no dia 12, com validade de 40 dias. No Distrito Federal (DF), após mais de 5 mil motoristas serem multados por descumprir a norma, o Executivo suspendeu as penalidades emitidas até ontem, que serão revertidas em advertências. Mas, a partir de hoje, o motorista flagrado no DF sem o equipamento ligado será multado no valor de R$ 85,13 (infração média), além de receber quatro pontos na CNH.

Comandante do Batalhão de Polícia Militar Rodoviária (BPMRv), o tenente-coronel Ledwan Cotta explica a situação no estado. Segundo ele, ainda não há por aqui nenhum alinhamento semelhante aos adotados em Pernambuco e no DF. Mas discussões sobre o tema em fóruns com órgãos de trânsito de outros estados brasileiros e as decisão do DF e de Pernambuco fizeram com que o tema fosse incluído em reunião marcada para hoje na Diretoria de Meio Ambiente e Trânsito (DMAT) da Polícia Militar.

O Boticário

///////////////////////////

“Por enquanto, Minas não tem nenhum entendimento contrário à norma. Vamos discutir essa questão e analisar qual posicionamento deve ser adotado. Não vamos tomar nenhuma decisão isoladamente. Estamos alinhados com a PRF (Polícia Rodoviária Federal), no estado, de forma que o cidadão que trafegar nas rodovias mineiras tenha um tratamento igualitário em rodovias estaduais ou federais”, adiantou, lembrando que o período de vacância da lei, que era de 45 dias, já acabou. Ainda de acordo com o comandante, informações de alerta ao motorista serão divulgados por meios educacionais da PM e também em redes sociais como o Facebook e WhatsApp, sem prejuízo para as infrações que venham a ser detectadas.

Por meio de nota, o governo de Minas informou ontem que “no âmbito do poder público estadual, a lei será integralmente aplicada”. A posição foi reforçada pelo Departamento de Estradas e Rodagens (DER), que garantiu prevalecer a obrigatoriedade do uso do farol baixo.

Por Valquiria Lopes / EM

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).