Inicio » Norte de Minas » Norte de Minas é a primeira região do Estado a receber o programa “ABC Cerrado”

Norte de Minas é a primeira região do Estado a receber o programa “ABC Cerrado”

Norte de Minas é a primeira região do Estado a receber o programa “ABC Cerrado”

Foi iniciado no estado de Minas Gerais, nos municípios de Montes Claros e Icaraí de Minas, o Programa ABC Cerrado, que tem como objetivo contribuir com a redução dos gases de efeito estufa no Brasil. As aulas para as duas primeiras turmas de 15 produtores de leite e corte aconteceram de 18 a 23 de julho, ministrado pelo instrutor do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar Minas), Eugênio José Silveira.

Norte de Minas é a primeira região do Estado a receber o programa "ABC Cerrado"
Norte de Minas é a primeira região do Estado a receber o programa “ABC Cerrado”

 

A iniciativa foi idealizada pelo Senar Minas, em parceria com a Embrapa, Ministério da Agricultura, patrocinado pelo Banco Mundial e vai capacitar para a atividade e dar assistência técnica gratuita para 400 produtores rurais nas regiões Norte de Minas, Triângulo, Alto Paranaíba e Noroeste.

O programa atende quatro processos tecnológicos: integração lavoura, pecuária e floresta, sistema de plantio direto, florestas plantadas e recuperação de pastagens degradadas. No Norte de Minas, o agrônomo Ricardo Tuller, o zootecnista Guilherme Rodrigues e o técnico em agropecuária, Edvaldo Neto, capacitaram os produtores especificamente na recuperação de pastagens degradadas, com a meta de estimular a sustentabilidade ambiental aliada à produtividade na atividade rural.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

Segundo dados da Emater, no Norte de Minas são 4 milhões de hectares de pastagens degradadas, 100 mil hectares só no município de Montes Claros. Para recuperação de um hectare destas pastagens, os produtores teriam que gastar cerca de R$ 1.700,00. Custo alto para os parâmetros regionais, mas que para os participantes do programa ABC Cerrado vai baratear os custos, já que a assistência técnica é gratuita.

 

Participaram do curso, em Montes Claros, produtores de Claro dos Poções, Coração de Jesus, Francisco Sá, Glaucilândia, Grão Mogol, Mirabela, Montes Claros e São João do Pacuí.  Em Icaraí de Minas os participantes são do próprio município.

Segundo dados do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), o rebanho bovino do Norte de Minas atualmente está em cerca de 1,8 milhão de cabeças, mas já chegou a 3,4 milhões, sendo o maior do estado. Por causa da seca, que assola a região nos últimos 5 anos, milhares de cabeças foram comercializadas para outras regiões do estado como Triângulo e Alto Paranaíba.

Segundo o instrutor Eugênio Silveira, a recuperação das pastagens vai impactar no aumento da produtividade em até cinco vezes, ajudar na conservação do meio ambiente, evitando erosões e assoreamento dos rios, além de aumentar os lucros para os produtores. A falta de condições de produção provocou a diminuição do rebanho e também a queda na produção de leite em cerca de 50%.

No treinamento, os produtores participaram de aulas nos campos de pesquisa do Instituto de Agropecuária da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), onde puderam observar,  in loco,  exemplos de pastagens degradas e o trabalho de recuperação, plantio direto, integração lavoura floresta, dentre outros experimentos.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).