Inicio » Colunistas » Adilson Cardoso » Coluna do Adilson Cardoso – O pior dos meus sonhos

Coluna do Adilson Cardoso – O pior dos meus sonhos

Coluna do Adilson Cardoso – O pior dos meus sonhos

Sob a sombra da dor (parte ll)

A boca da filha no retrato se movia lentamente, dona Geralda retirou os óculos e enxugou as lágrimas, esfregou as lentes contra o tecido da roupa e voltou a se concentrar no semblante de Adelaide. Aquelas palavras estavam em linguagem estranha, não era possível entender. Para o abundante desespero daquela mãe só podia ser sinal de agouro, coisa ruim acontecendo e usando de código ela tentava se comunicar. Em um suspiro profundo aquela mão de rugas expostas sob veias salientes retirou novamente os óculos embaçados e conteve o rio de lágrimas, disse algo silencioso com a mão no peito, olho diretamente no olho da filha e saiu apressada para o quarto. Sobre o velho armário de madeira que servia como guarda-roupas, retirou uma sacola de nylon, suas alças eram coloridas verticalmente e seu corpo também tinha cores, mas expostas na horizontal. Fora comprada no dia da feira de santa Luzia quando atravessaram a madrugada até o sol ficar lá em cima, para chegar ao Riacho dos Coqueiros, a promessa para curar o Dordói do marido que não enxergava há uma semana fora cumprida, mas antes a prece havia sido atendida. De carro ela sabia como chegar à cidade, lembra que olhava para o motorista através da claridade do vidro e via a tranqüilidade como seguia a estrada, era uma reta de não acabar mais, depois virava para esquerda e subia uma ladeira que rumava à direita, passava numa ponte e avistava uma casinha lá longe, ali era possível notar que havia bois pastando, mas era distante  da cerca. Dentro da sacola depositou algumas peças de roupas, um bolo de notas que guardava no fundo da mala enrolado em um lenço e o rosário de Nossa Senhora para pedir proteção, jogou um gole de café na garganta e  colocou  a cara na janela,  girou o pescoço em todas as direções e nada de suspeito foi detectado, saiu no terreiro, jogou milho as galinhas, espantou um Gavião que espreitava os pintos e tomou coragem, voltou  Lá dentro puxou a sacola e fez o sinal da cruz, amarrou a porta da cozinha no prego do lado de fora e seguiu aquela estrada, antes de abrir a cancela virou-se para trás e olhou tudo aquilo que ficava, doía no peito, os pés de frutas plantados por ela e as plantas de flores a beira da cerca, admirou o Umbuzeiro carregado de pequenos frutos e uma algazarra de Maritacas que voavam em sintonia . Mas só lhe  interessava encontrar Adelaide, que ficasse tudo nas paredes chamuscadas da memória fraca, já que  talvez fosse o ultima imagem daquele lugar encantado, o marido não aceitaria sem vingança, se voltasse  sujeitaria  a ira e os caprichos dele, as tapas, os pontas-pé e os cabos de piratas que lhe rendiam galos na cabeça. Pisou  forte fazendo buracos na areia fofa, seguia sem rumo, apenas com o nome da cidade na boca e a filha na cabeça, notava que ali passaram cavalos, cachorros e carros, uma marca de pneu recente estava centralizada na estrada. Virou a cabeça para ouvir o que o vento trazia, assuntou por alguns minutos um canto afastado da Siriema e seguiu seu caminho…Continuação

Por Adilson Cardoso

Adilson Cardoso
Adilson Cardoso

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Cultura Moc - Festa Nacional do Pequi começa na próxima semana

Cultura Moc – Festa Nacional do Pequi começa na próxima semana

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 10 de dezembro de 2016.Cultura Moc – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).