Inicio » Montes Claros » Montes Claros – Montesclarense toma posse na presidência do STF

Montes Claros – Montesclarense toma posse na presidência do STF

Montes Claros – Montesclarense toma posse na presidência do STF

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), a montesclarense Carmen Lúcia Antunes Rocha, tomará posse na presidência da Corte no dia de hoje (15/09/2016) às 15 horas.

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), a montesclarense Carmen Lúcia Antunes Rocha,
A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), a montesclarense Carmen Lúcia Antunes Rocha.

 

Na posse, a ministra deverá quebrar o protocolo do Supremo e não haverá a tradicional festa de recepção aos convidados, bancada por associações de magistrados em todas as posses de ministros da Corte.

PUBLICIDADE

///////////////////////////

– Não gosto muito de festas. Gosto de processos – disse ela, acrescentando que fará o possível para honrar o cargo de presidente e defendeu a união do Poder Judiciário.

– O Supremo é um só. O Poder Judiciário no Brasil tem que voltar a ser um só. Hoje, são vários.  Acho que juntos somos muito mais – destacou.

VIATOTAL

ViaTotal

///////////////////////////

INDICAÇÃO

A ministra ficará no lugar do atual presidente, Ricardo Lewandowski. O vice-presidente da Corte será o ministro Dias Toffoli. Cármen Lúcia Antunes Rocha foi indicada para o Supremo Tribunal Federal pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e tomou posse em 2006. Ela nasceu em Montes Claros e formou-se em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC), em 1977. Carmem Lúcia será a segunda mulher a assumir o cargo. A primeira foi a ex-ministra Ellen Gracie.

Biografia:

Cármen Lúcia Antunes Rocha (Montes Claros, 19 de abril de 1954) é uma jurista e magistrada brasileira, presidente-eleita do Supremo Tribunal Federal, tendo sua posse prevista para o dia 12 de setembro de 2016.[1][2] Exerceu também os cargos de ministra e presidente do Tribunal Superior Eleitoral.[3]

Bacharel em direito pela Faculdade Mineira de Direito (1977), é especialista (1979) em direito de empresa pelaFundação Dom Cabral, mestre (1982) em direito constitucional pela Universidade Federal de Minas Gerais e doutora (1983) em direito do Estado pela Universidade de São Paulo. Desde 1983 é professora titular de direito constitucional na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, além de coordenadora do Núcleo de Direito Constitucional.

Exerceu o cargo de procuradora do estado de Minas Gerais de 1983 até 2006, sendo procuradora-geral do estado durante o mandato do então governador Itamar Franco. É membro efetivo do Instituto dos Advogados Brasileiros, tendo sido diretora da revista desta instituição, além de ter sido membro da Comissão de Estudos Constitucionais do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil de 1994 a 2006.

Em 2006, foi indicada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao cargo de ministra do Supremo Tribunal Federal, tornando-se a segunda mulher a ocupar esta vaga, após a ministra Ellen Gracie Northfleet.[5][6] Assumiu a vice-presidência da Corte em 2014, exercendo esta função desde então.[7] Também exerceu a função de ministra do Tribunal Superior Eleitoral de 2009 a 2013, presidindo-o de 2012 a 2013, tornando-se a primeira mulher a fazê-lo.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

MG - Mortes por afogamento crescem 14% em Minas Gerais

MG – Mortes por afogamento crescem 14% em Minas Gerais

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 8 de dezembro de 2016.MG – Mortes …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).