Inicio » Colunistas » Hesiodo José » Coluna do Hesiodo José – Fragmentos Diários (aumento e também invento)

Coluna do Hesiodo José – Fragmentos Diários (aumento e também invento)

Coluna do Hesiodo José – Fragmentos Diários (aumento e também invento)

Especial  Anal

(Anus, cú, jiló, tóba, feijoeiro,Fiofó. Nomes que podem variar de regiões e Comunidades)

Em pesquisa realizada pelo Databolha em 2015, 57% das mulheres brasileiras declararam fazer sexo anal. 53% delas praticam desde os 18 anos de idade. Minas Gerais é disparado  com o maior índice,  sendo o Norte do Estado a região campeã dos episódios. Em segundo vem a Bahia, e na ordem decrescente aparecem São Paulo, Rio de Janeiro e Tocantins. Segundo os responsáveis pela pesquisa só a cidade de Montes Claros equivale a quase todo o total de coitos anais do estado do Espirito Santo.

Apesar de a maioria se declarar praticante, diversas dúvidas sobre o tema ainda persistem. Veja as principais:

 – É mais fácil pegar AIDS pelo Fiofó?
Sim, pois a prática gera microtraumatismos na mucosa retal (revestimento interno) que servem como porta de entrada para o vírus.

(Ai meu Deus, me proteja – Selmon Ribeiro – Januária –MG)

 – Praticantes de sexo anal têm mais chances de desenvolver fissuras ou hemorróidas?
Não. Esses quadros são consequências de mau funcionamento intestinal. Mas atenção: quem já apresenta fissuras ou está no período de inflamação da hemorróida pode sentir bastante dor durante o sexo anal. É melhor evitar.

(Ainda bem – Selmon Ribeiro – Januária –MG)

 – Sexo anal normalmente estoura a camisinha?
Mito. Isso só acontece se houver algum erro na forma de usá-lo. Para evitar problemas, o preservativo deve ser de boa qualidade e proporcional ao calibre do pênis.

(e se for “um grandão” assim ó! – Selmon Ribeiro – Januária)

– Ai se for muito grande estoura é tudo né viadinho!

6 – Sexo anal dói muito?
Quando se insinua uma penetração anal os músculos locais se contraem como uma forma de defesa. Haverá dor se afobar e detonar de uma vez. Para o relaxamento ocorrer é preciso paciência, cumplicidade, confiança e carinho, beijos e alguns toques…Depois é relaxar e gozar.

(Missionária Eleneuza – Montes Claros –MG)

Riso da Hora

Certa vez, um rapaz estava passeando no zoológico, comendo azeitonas. Parou em frente a jaula de um macaco, e ficou com pena daquele macaco com um olhar de pidão, e resolve jogar uma azeitoninha pro coitado. O macaco olha desconfiado, pega a azeitona, enfia no cu, da uma cheiradinha e come a azeitona. O rapaz achou tudo aquilo muito estranho e resolve perguntar para o tratador de animais o porque. – Senhor, eu joguei uma azeitona praquele macaco ali, ele pegou, enfiou no cu, cheirou e só depois comeu. Por que?!? – Ah não… É que esses dias, eu dei um abacate pra ele, e o coitadinho ficou com o caroco entalado, agora ele esperimenta antes pra ver se passa…

Fica assim, amanhã tem mais…

Por Hesiodo José

Hesiodo José
Hesiodo José

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

O responsável pela cirurgia o neurocirurgião César Felipe Gusmão Santiago

Montes Claros – Santa Casa de Montes Claros realiza cirurgia inédita para retirada de tumor cerebral

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 9 de dezembro de 2016.Montes Claros – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).