Casa das Apostas Online Betway

Últimas Notícias

SAIBA MAIS AQUI - FAÇA CLICK

Minerio natural de Montes Claros esbanja saúde e alegria aos 105 anos de idade

Sentado na poltrona da antiga casa do bairro Santo Antônio, na região Centro-Sul da capital, o aposentado Elídio Rodrigues Gomes passa horas concentrado em seu passatempo favorito: caça-palavras. Na véspera de fazer 105 anos, o mineiro – natural de Montes Claros, no Norte – esbanja saúde, lucidez e bom humor, frutos de uma vida “metódica”, como ele define. Neste domingo, para sua satisfação, a casa vai se encher de alegria: os seis filhos, 17 netos e cinco bisnetos, sem contar os agregados, vão se reunir para celebrar mais um ano de uma história de dedicação, trabalho e fé.

Casado com Juracy há 70 anos, o aposentado Elídio Rodrigues Gomes tem seis filhos, 17 netos e cinco bisnetos – Foto: Uarlen Valério/O Tempo
Casado com Juracy há 70 anos, o aposentado Elídio Rodrigues Gomes tem seis filhos, 17 netos e cinco bisnetos – Foto: Uarlen Valério/O Tempo

De família humilde, seu Elídio conta que precisou trabalhar desde cedo para ajudar a sustentar pais e irmãos. “Desde menino dou duro pela vida. Tinha que trabalhar muito”, conta o idoso, que já foi de tudo um pouco, de empregado de fábrica a militar e bancário. Depois da juventude em Montes Claros e breves passagens por Juiz de Fora, na Zona da Mata, e na capital fluminense, seu Elídio se mudou de vez para a capital mineira na década de 40.

Ele conta que, desde então, quase não viu a cidade crescer. “A idade chegou, e me recolhi em casa. Saía pouco, nunca bebi nem fumei”. Ainda assim, seu Elídio soube como aproveitar. Depois que os filhos se casaram, ele e Juracy Antônia de Meira Gomes, 93, com quem é casado há 70 anos, passaram boa parte do tempo livre viajando.

Hoje, a rotina do mineiro centenário se divide entre a leitura de jornal e as revistinhas de caça-palavras. As letras pequenas não são um problema: ele se diverte juntando sílabas. Outro hobby é declamar poemas. Com uma memória invejável, seu Elídio sabe de cor “O pássaro Cativo”, de Olavo Bilac. “Aprendi quando era rapaz. Um prêmio divino é essa minha cabeça boa. Hoje colho o que plantei”, comemora.

Do portal O Tempo

Aviso

  • • Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.
  • • Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)