Publicidade

Inicio » Internacional » Mundo tem 100 milhões a menos de pessoas com fome, diz FAO

Mundo tem 100 milhões a menos de pessoas com fome, diz FAO

Uma em cada nove pessoas sofre fome no mundo, em um total de 805 milhões, anunciou nesta terça-feira (16) o Fundo das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), que citou o Brasil como exemplo por suas políticas governamentais para reduzir o problema.

No caso do Brasil, a FAO cita o programa Fome Zero, que tem a participação de 19 ministérios e que ajudou a reduzir a pobreza de 24,3% a 8,4% entre 2001 e 2012
No caso do Brasil, a FAO cita o programa Fome Zero, que tem a participação de 19 ministérios e que ajudou a reduzir a pobreza de 24,3% a 8,4% entre 2001 e 2012

Segundo o Relatório sobre o Estado da Insegurança Alimentar no Mundo (SOFI2014), publicado pelo quarto ano pela FAO, na última década o número de pessoas com fome registrou queda de 100 milhões.

O resultado significa que os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM, ou metas do milênio) – reduzir à metade a proporção de pessoas em pobreza extrema até 2015 – estão ao alcance das mãos, segundo a FAO, que pede aos países que “redobrem os esforços” no ano restante.

Até o momento, 65 países em desenvolvimento alcançaram a meta e outros seis estão perto de atingir o objetivo em 2015, segundo a organização com sede em Roma.

A FAO recorda que depende da vontade dos governantes e de políticas integradas, com a participação tanto do setor público como do privado.

Exemplos do que os governos podem fazer foram demonstrados por países como Brasil ou Bolívia, que criaram instituições e projetos para enfrentar o problema.

No caso do Brasil, a FAO cita o programa Fome Zero, que tem a participação de 19 ministérios e que ajudou a reduzir a pobreza de 24,3% a 8,4% entre 2001 e 2012, enquanto a extrema pobreza caiu de 14% a 3,5%.

No período, a renda dos 20% mais pobres cresceu três vezes mais que a dos 20% mais ricos e a proporção das pessoas com desnutrição passou de 10,7% em 2000 para a metade em 2006.

O governo federal destinou 35 bilhões de dólares aos programas de segurança alimentar e de nutrição. Os gastos com programas sociais cresceram 128% em 12 anos.

A Bolívia, considerada um “caso excepcional” na América Latina ao lado do Equador, segundo a FAO, criou instituições que envolvem amplos setores, e em particular a população indígena, que por muito tempo era totalmente marginalizada.

A agricultura no país andino tem um papel crucial na estratégia da segurança alimentar, pois quase um terço da população vive em áreas rurais, de muita pobreza.

A estratégia que tenta, ao mesmo tempo, melhorar a produtividade das famílias camponesas e remediar as necessidades imediatas da população vulnerável com programas de proteção social e transferência de renda contribuiu para reduzir a pobreza extrema em 17,2%.

A renda dos 40% mais pobres aumentou três vezes mais que a média nacional. A redução da pobreza também se reflete na queda da desnutrição. Entre 1994 e 2008 a redução chegou a 7,4%.

Em geral, o crescimento econômico é acompanhado com um maior acesso aos alimentos, em particular no leste e sudeste asiático.

Neste caso, a América Latina e o Caribe conseguiram os maiores progressos em termos de segurança alimentar, destaca a FAO.

Apesar do avanço, a região tem países como o Haiti, onde mais da metade da população sofre com problemas crônicos de desnutrição e luta para recuperar-se do terremoto devastador de 2010.

Outras regiões como a África subsaariana permanecem com muitos problemas, com uma em cada quatro pessoas com desnutrição crônica, e a Ásia, a região mais populosa, tem 526 milhões de pessoas com problemas de alimentação.

Leia Também

IFNMG abre inscrições para 1.500 vagas em 11 cursos gratuitos

IFNMG abre inscrições para 1.500 vagas em 11 cursos gratuitos

* Por: Jornal Montes Claros - 25 de setembro de 2018. IFNMG abre inscrições para …

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.O espaço de comentários em nossos artigos é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido).