Publicidade FENICS 2108 - RESERVE JÁ,JÁ, SEU STAND!  

PUBLICIDADE

COPASA - MONTES CLAROS
Inicio » Montes Claros » Montes Claros – Cabo Melo é condenado a 16 anos de prisão

Montes Claros – Cabo Melo é condenado a 16 anos de prisão

Terminou no fim da tarde desta quinta-feira (18), no Fórum de Montes Claros, o julgamento de Laércio Soares de Melo, conhecido como cabo Melo. O militar foi condenado a 16 anos de prisão pelo assassinato de Francisco dos Santos Filho, o despachante Chiquinho.

Cabo Melo é condenado a 16 anos de prisão
Cabo Melo é condenado a 16 anos de prisão

O acusado chegou ao Fórum Gonçalves Chaves por volta de 08h45, acompanhado do advogado de defesa, e não quis falar com a imprensa.

O julgamento ocorreu após 4 anos e 9 meses desde que o despachante Chiquinho desapareceu em Montes Claros. O inquérito concluiu que ele foi assassinado pelo policial, que está preso desde março de 2012, em Belo Horizonte. foi absolvido pelo crime de ocultação do cadáver.

O advogado de defesa, Ernesto Queiroz de Freitas, afirmou que as acusaões não procedem. e vai recorrer da sentença.

Francisco dos Santos Filho, o despachante Chiquinho
Francisco dos Santos Filho, o despachante Chiquinho

Relembre o caso:

O militar Laércio Soares de Melo, o Cabo Melo, foi indiciado pela Polícia Civil por estelionato, falsidade ideológica e apropriação Indevida de bens de Chiquinho Despachante. Conforme noticiado no dia 22 de março de 2011, a família de Francisco Santos Filho, o Chiquinho Despachante, denunciou à Polícia Civil e esta buscou esclarecimentos a respeito da venda de uma casa de Chiquinho, situada na Rua Oito, no Bairro Canelas II, feita pelo militar a duas servidoras da Prefeitura de Montes Claros, em outubro de 2010. A casa já pertencia ao despachante desde setembro de 2009, quando comprou e pagou ao próprio cabo Melo, mas este não lhe deu a posse, pois “desapareceu” quatro dias antes da data marcada, contratualmente, para recebimento da posse da casa, onde o militar mantinha um irmão morando de favor na casa.

Os familiares somente tomaram conhecimento do negócio quando as supostas compradoras tentaram fazer a escritura e descobriram que a casa não pertencia mais ao militar. Durante o inquérito, descobriu-se que as compradoras também não pagaram o preço da casa e foi descoberto um emaranhado de negócios confusos feitos pelo militar, com fortes evidências da prática de estelionato e falsidade ideológica. Ainda durante as investigações, apurou-se que o militar também se apropriou de um veículo Pajero 1999/2000, placa KLE-8298, que pertencia ao despachante. A família denunciou o caso porque achou intrigante a segurança que o militar teve para vender um imóvel do despachante, sem se preocupar com o que seria feito se ele voltasse.

A apuração serviu para reforçar a suspeita de envolvimento do militar no desaparecimento de Chiquinho e, segundo informações não confirmadas, o caso já deixou de ser tratado como “desaparecimento” para ser tratado como homicídio e ocultação de cadáver.

Leia Também

Carreta Brahma chega ao norte de Minas para animar galera antes da Expomontes

Carreta Brahma chega ao norte de Minas para animar galera antes da Expomontes

* Por: Jornal Montes Claros - 20 de junho de 2018. Carreta Brahma chega ao …

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas. O espaço de comentários em nossos artigos é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido).