Inicio » Colunistas » Coluna – O sabor das palavras

Coluna – O sabor das palavras


Reviewed by:
Rating:
5
On 14 de novembro de 2014
Last modified:14 de novembro de 2014

Summary:

UM BEM-TE-VI

O leve e macio
raio de sol
se põe no rio.
Faz arrebol…

Da árvore evola
amarelo, do alto
bem-te-vi-cartola
e, de um salto

pousa envergado
no bebedouro
a banhar seu louro

pelo enramado…
De arrepio, na cerca
já se abriu e seca.

Manoel Wenceslau Leite de Barros. Um bem-te-vi.

curva (jornalmontesclaros)

   Hoje imaginei a tristeza das quintas feiras. Foi assim com Gabriel Garcia Marquez e agora com Manoel de Barros. Ambos alçaram voo em plena quinta feira cinzenta. E como ele dizia “prezo a velocidade das tartarugas mais que as dos mísseis.Pra quem nasceu na barranca do rio,no beco da Marinha na cidade de Cuiabá, hoje é do universo é do tudo porque a poesia é tudo. Deus foi um poeta quando criou o homem a sua semelhança. E quando fez nascer Manoel de Barros em solo matogrossense nos fez maiores do que realmente somos. E quando ele falava de sapos,cobras,rãs e rios nos mostrava o caminho da felicidade.Porque na poesia descobrimos a felicidade na insignificância e nas pequenas coisas.

   Além de ser o nosso maior poeta, Manoel de Barros divulgou as belezas e potencialidades do Estado enriquecendo assim, a história da literatura e a cultura do local que ele escolheu para viver ao lado de sua esposa Dona Stella hoje com 93 anos e que se deleitava da presença do o poeta há 67 anos,lá na Rua Piratininga,em Campo Grande,capital do Mato Grosso do Sul. E que adora andar de fusca.   tornou referência no gênero poesia e teve 34 obras publicadas sendo a primeira em 1937 e a mais recente no ano passado. No exterior, teve três obras traduzidas em Portugal, França e Espanha. A história do escritor começou com “Poemas Concebidos Sem Pecado”,feito artesanalmente por amigos quando ainda tinha 19 anos numa tiragem de 21 exemplares.Sei que fica difícil escrever sobre quem é um ourives da escrita,mas na minha memória ficará  a cadeira número 1 da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras e as doces palavras de sua filha  Martha que no último adeus recitou um dos versos que ele mais gostava“Do lugar onde estou, já fui embora”

Por Rosildo Barcellos

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).



EV SSL Certificate