Empréstimo Consignado para aposentados, pensionistas do INSS

Últimas Notícias
Casa das Apostas Online Betway

Ásia – China promete acabar com retirada dos órgãos de presos executados

A China deixará de extirpar os órgãos dos prisioneiros executados, informa a imprensa, mas esta não é a primeira vez que o governo promete abolir a prática, muito criticada pelos defensores dos direitos humanos.

Huang Jiefu, diretor do Comitê Chinês de Doação dos Órgãos, afirmou que o país terá apenas a doação voluntária
Huang Jiefu, diretor do Comitê Chinês de Doação dos Órgãos, afirmou que o país terá apenas a doação voluntária

A partir de 1 de janeiro, o país “deixará por completo de recorrer” à extração dos órgãos dos executados para abastecer os hospitais, afirmou Huang Jiefu, diretor do Comitê Chinês de Doação dos Órgãos, citado pelo jornal Nanfang Dushibao. Ele afirmou ainda que o país terá apenas a doação voluntária.

Huang Jiefu, que já foi vice-ministro da Saúde, afirmou que a cada ano 300.000 pessoas precisam na China de um transplante urgente, mas acontecem apenas 10.000 operações. Para cada um milhão de chineses, apenas 0,6 é doador de órgãos, destacou Huang.

Segundo a tradição chinesa, os mortos devem ser enterrados sem sofrer nenhuma mutilação e poucas pessoas aceitam que um parente falecido tenha os órgãos retirados.

Com a falta de órgãos para transplantes, boa parte das cirurgias são feitas com órgãos de executados, geralmente sem o consentimento das famílias, segundo as organizações de defesa dos direitos humanos, o que o governo nega.

As autoridades chinesas já prometeram diversas vezes acabar com a prática, sem sucesso. A China, o país com o maior número de execuções no mundo, aplicou a pena capital em 2.400 pessoas no ano passado, segundo a ONG Dui Hua, que tem sede nos Estados Unidos. Pequim não divulga um balanço oficial.

Quer saber as notícias do Jornal Montes Claros em primeira mão? Siga-nos no Facebook @jornamoc, Twitter @jornalmoc e Instagram @jornalmoc.