Publicidade FENICS 2108 - RESERVE JÁ,JÁ, SEU STAND!  

PUBLICIDADE

COPASA - MONTES CLAROS
Inicio » Nacional » Brasil – STM critica relatório da Comissão Nacional da Verdade

Brasil – STM critica relatório da Comissão Nacional da Verdade

O Superior Tribunal Militar (STM) divulgou nota apontando o que considera “inverdades” do relatório final da Comissão Nacional da Verdade (CNV), apresentado na última na quarta-feira (10). Segundo o a corte, a comissão errou ao tomar o STM como “retaguarda judicial (…) para a repressão (…) conivente ou omissa às denúncias de graves violações de direitos humanos”, conforme consta no relatório, que dedica um capítulo à atuação da Justiça Militar na ditadura (1964–1985).

Exército Brasileiro em cerimônia de troca da bandeira em Brasília. 03/08/2014
Exército Brasileiro em cerimônia de troca da bandeira em Brasília. 03/08/2014

A nota destaca que os conceitos utilizados são “inverídicos, injustos e equivocados” e que “na realidade, a Justiça Militar da União (JMU) não ‘teve papel fundamental na execução de perseguições e punições políticas’, não ‘institucionalizou punições políticas’ e tampouco ampliou, para si mesma, sua competência para o ‘processamento e julgamento de civis incursos em crimes contra a Segurança Nacional’.”

O STM também critica parte das recomendações finais do relatório. Uma delas sugere a “exclusão de civis da jurisdição da Justiça Militar Federal”, apontada como “verdadeira anomalia que subsiste da ditadura militar”. Ao contrário disso, o Tribunal Militar afirma se guiar, ao longo da história, por postura independente, transparente e imparcial, com espírito democrático e respeito à dignidade humana, inclusive durante o regime ditatorial.

Essa postura tem sido evidenciada pelo STM. Em outubro, o tribunal assinou um termo de cooperação com o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e com o Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB) para organizar e disponibilizar à sociedade os áudios de manifestações da defesa de presos e denunciados políticos feitas no órgão, durante a ditadura militar.

No lançamento da iniciativa, a presidenta do órgão, ministra Maria Elizabeth, destacou que “essa Justiça (Militar), ao contrário da Justiça comum, que de uma certa forma acabou se curvando ao regime autoritário, essa Justiça teve a coragem de levantar a sua voz e enfrentar os arbítrios e as ilegalidades que estavam sendo perpetradas naqueles anos tão difíceis”.

A Agência Brasil procurou a comissão, mas foi informada que o grupo ainda não se posicionou sobre o assunto.

O relatório final da CNV foi apresentado na quarta-feira da semana passada, Dia Internacional dos Direitos Humanos. Depois de dois anos e sete meses de trabalho, a comissão confirmou, em seu relatório final, 434 mortes e desaparecimentos. Todos os ex-presidentes da República que exerceram mandato durante a ditadura foram responsabilizados por essas ações.

Agência Brasil

Leia Também

Carreta Brahma chega ao norte de Minas para animar galera antes da Expomontes

Carreta Brahma chega ao norte de Minas para animar galera antes da Expomontes

* Por: Jornal Montes Claros - 20 de junho de 2018. Carreta Brahma chega ao …

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas. O espaço de comentários em nossos artigos é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido).



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *