Inicio » Minas Gerais » MG – Novo chefe da Polícia Civil de Minas Gerais toma posse

MG – Novo chefe da Polícia Civil de Minas Gerais toma posse


Reviewed by:
Rating:
5
On 28 de janeiro de 2015
Last modified:28 de janeiro de 2015

Summary:

MG - Novo chefe da Polícia Civil de Minas Gerais toma posse

O novo chefe da Polícia Civil de Minas Gerais, Delegado Geral Wanderson Gomes da Silva, tomou posse na tarde desta quarta-feira (28), na Cidade Administrativa, região Norte de Belo Horizonte. À cerimônia, realizada no auditório JK, estiveram presentes o governador Fernando Pimentel e o secretário de Defesa Social, Bernardo Santana.

O novo chefe da Polícia Civil de Minas Gerais, Delegado Geral Wanderson Gomes da Silva, tomou posse na tarde desta quarta-feira (28), na Cidade Administrativa, região Norte de Belo Horizonte.
O novo chefe da Polícia Civil de Minas Gerais, Delegado Geral Wanderson Gomes da Silva, tomou posse na tarde desta quarta-feira (28), na Cidade Administrativa, região Norte de Belo Horizonte.

Na transmissão de cargo, seu antecessor, o delegado Oliveira Santiago Maciel, destacou os feitos da Polícia Civil durante a Copa do Mundo e nas eleições 2014, quando um grande efetivo foi colocado nas ruas. “Segurança pública não se restringe apenas à Polícia Civil, é dever também do Estado e de todos. A essência da corporação vem da união dos esforços de cada um dos seus servidores”.

Em seu discurso de posse, o novo chefe da Polícia Civil falou das mudanças que pretende fazer. “A Polícia Civil tem uma nova missão. Nossas ações vão buscar o fortalecimento da corporação, principalmente a valorização dos homens e mulheres, por meio de uma remuneração adequada, para corrigir distorções”, disse Wanderson.

O delegado também prometeu ampliação de vagas. “Vou pedir a convocação dos excedentes do último concurso (2013) para perito criminal e médico legista ( 95 peritos e 121 legistas já foram admitidos); além da ampliação do ultimo concurso realizado para investigador (1.000 vagas foram abertas, e novo chefe da Civil quer pelo menos outras mil)”.

No entanto, representantes do Sindipol, também presentes à cerimônia, lembraram que Lei Orgânica da Polícia Civil (aprovada em 2013 através da Lei Complementar 129 de 08/11/201) prevê 11.301 cargos de investigador, e que o último concurso abriu apenas 5.813 vagas.

Wanderson finalizou, ressaltando querer uma Polícia Civil menos violenta e mais voltada para o trabalho de investigação e inteligência, “porque esse trabalho, quando bem realizado, dá mais possibilidade para que o trabalho da polícia judiciária se torne mais efetivo”.

Perfil

O novo Chefe da Polícia Civil, Delegado Geral Wanderson Gomes da Silva, é bacharel em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais e ingressou na corporação em 1984, como investigador. Atuou nas cidades de Pedro Leopoldo, Rio Paranaíba e Belo Horizonte, em diversos departamentos de polícia, com destaque para o Departamento de Investigação Antidrogas (DIA), o Grupo de Combate ao Crime Organizado, em Parceria com o Ministério Público (GCOC) e a Divisão Especializada de Operações Especiais da corporação (Deoesp), que chefiava até a data de hoje.

Na carreira de Delegado de Polícia, Silva obteve todas as promoções por merecimento, com inúmeros registros de referências elogiosas em sua ficha funcional.

O Chefe Adjunto da Polícia Civil será o Delegado Geral Marcos Silva Luciano, atual chefe do 2º Departamento de Polícia Civil, com sede em Contagem, na Grande BH.

Feitos

Wanderson Gomes da Silva é conhecido na corporação pela habilidade na investigação e solução de sequestros e enfrentamento de organizações criminosas e do tráfico de drogas. Entre os casos de destaque está a solução do maior crime contra o Patrimônio em Minas Gerais, em 2010, quando foram roubados R$46 milhões da empresa de transporte de valores Embraforte.

Outros destaques são a prisão de um dos maiores traficantes de Minas, Rony Peixoto, em 2012, e a recuperação de cerca de 90% das 45 armas e mais de 1600 munições roubadas da Central de Escoltas do Sistema Prisional de Minas Gerais, no ano passado. A ação foi desenvolvida por meio de ação de investigação e repressão qualificada, sem que nenhum tiro fosse disparado. Três pessoas foram indiciadas.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).



EV SSL Certificate