Casa das Apostas Online Betway

PÓS-GRADUAÇÃO PUC MINAS

Últimas Notícias

SAIBA MAIS AQUI - FAÇA CLICK

Inicio » Últimas » MG – PF desarticula quadrilha que fraudava “Minha Casa, Minha Vida”

MG – PF desarticula quadrilha que fraudava “Minha Casa, Minha Vida”

PF desarticula quadrilha que fraudava “Minha Casa, Minha Vida”

PF realizou operação Tyrannos em cinco cidades de Minas e SP
PF realizou operação Tyrannos em cinco cidades de Minas e SP

.

.

A Policia Federal desarticulou uma organização criminosa responsável por desvios no programa “Minha Casa, Minha Vida” na região de Manhuaçu, Vale do Rio Doce, na manhã desta terca-feira (24).

Além destas cidades, os mandados foram cumpridos em outras quatro cidades mineiras e uma paulista. Os desvios apurados até agora ultrapassam R$ 1,6 milhão.

A “Operação Tyrannos” investiga executores do Programa Nacional de Habitação Rural (PNHR) por integrarem uma organização criminosa que teria praticado diversos crimes contra a Administração Pública, incluindo superfaturamento milionário em obras das unidades habitacionais destinadas à população da área rural.

Foram cumpridos seis mandados de prisão preventiva, seis mandados de prisão temporária, 19 mandados de busca e apreensão e 11 de condução coercitiva, todos expedidos pela Subseção Judiciária de Manhuaçu, com a participação do Ministério Público Federal (MPF). A investigação criminal contou com o apoio da Controladoria-Geral da União.

Cerca de 100 servidores federais estão envolvidos na operação. Os mandados foram cumpridos também nas cidades mineiras de Durandé, Martins Soares, Governador Valadares, Belo Horizonte e em Santa Gertrudes no estado de São Paulo. As investigações vão continuar.

De acordo com a PF, os desvios apurados até o momento ultrapassam um R$ 1,6 milhão, apenas em Martins Soares e Durandé. Mas estima-se que em pouco mais de cinco anos, a organização criminosa teria celebrado contratos totalizando mais de R$ 56 milhões para executar o PNHR em cerca de 25 municípios.

Os investigados responderão por peculato, falso testemunho, fraude processual, estelionato, ordenamento de despesa não autorizada, falsificação de documentos e organização criminosa, podendo alguns cumprir até 22 anos de prisão.

.

.

Aviso

  • • Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.
  • • Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *