SMART FIT - MONTES CLAROS

Turbo Pesquisa - CLIQUE AQUI PARA MIAS INFORMAÇÕES
Inicio » Colunistas » Victor Aragão » Coluna Meio Ambiente em Foco de Victor Aragão – Interpretação visual de imagens de satélite

Coluna Meio Ambiente em Foco de Victor Aragão – Interpretação visual de imagens de satélite

Coluna Meio Ambiente em Foco de Victor Aragão – Interpretação visual de imagens de satélite

Segundo Novo (1995), o uso da interpretação visual de imagens de satélite é parte integrante da aquisição remota de dados do espaço geográfico, para vegetações, solos e outros elementos naturais. Sendo para Lossio (2011), a possível comparação entre esses tipos de imagens é igual à de dizer que textos de natureza visual estão sendo obtidos.

Quando a abordagem é aproximada ainda mais das vegetações e solos, Panizza e Fonseca (2011) argumentam que a técnica da fotogrametria ganha muito destaque ao utilizar a obtenção de dados geométricos e quantitativos nas medições de elementos espaciais com exatidão.

Assim, com a produção de informações qualitativas por meio da técnica de identificação e determinação de elementos espaciais por meio de fotografias, os dois métodos, fotogrametria e fotointerpretação, são utilizados como meio de análise da paisagem e podem ser utilizados em diferentes estudos e pedidos (LOSSIO, 2011).

Em um dos primeiros estudos sobre a obtenção de informações sobre o espaço geográfico por meio do sensoriamento remoto, Cruz (1981) já incluía as técnicas que envolvem o sensor remoto como decisivas na análise dos recursos naturais, bem como de grande importância para os inúmeros trabalhos de várias áreas da ciência.

Para Cruz (1981) e Vasilachis (1993), as informações são adquiridas através de modos de exame, seguidos pela criação de pensamentos lógicos e a rigor, levando a considerações substanciais. Assim, no modo dedutivo, o caminho percorrido abrange a observação do geral para o particular, assim os elementos passam por observações e diferem. No modo indutivo, o trabalho parte do indivíduo e caminha da maneira mais ampla.

Panizza e Fonseca (2011) confirmam que, basicamente, a dedução para detecção remota da paisagem deve ser dividida em etapas, e que em geral deve seguir pela identificação das principais categorias (com base em uma grande unidade temática) dos elementos que circundam a paisagem, assim elementos mais significativos para a análise são selecionados, realizando-se a çocalização e distribuição dos mesmos, identificando a diferença de texturas e tons, e claro, conclusões sobre as estruturas do espaço da paisagem são analisadas minuciosamente; não seguindo esta ordem, mas essas etapas são julgadas como as principais.

 

Victor Aragão
Victor Aragão

Aviso

  • Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.
  • Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *