Semana Global do Empreendedorismo - CLIQUE AQUI

Últimas Notícias
Turbo Pesquisa - CLIQUE AQUI PARA MIAS INFORMAÇÕES
Inicio » Colunistas » Hesiodo José » Coluna do Hesiodo José – Fragmentos Diários (aumento e também invento)

Coluna do Hesiodo José – Fragmentos Diários (aumento e também invento)

Coluna do Hesiodo José – Fragmentos Diários (aumento e também invento)

Inutilidades Públicas

Parlamento de Bonito de Minas  quer proibir peidos em público

O Parlamento da Cidade de Bonito de Minas – Norte de Minas Gerais, prevê restaurar uma lei colonial que proibia emitir peidos em público, indicou nesta quinta-feira o auditor  da Justiça e de Assuntos Constitucionais da Sesmaria do Bonito, Georgino Joaquim Carranca.

“O prefeito  tem o direito de manter a decência pública”, declarou Carranca à rádio independente Januaria Clube. “Temos que impor a odem”, insistiu. “Por acaso querem que as pessoas soltem peidos em qualquer lugar?” Segundo o auditor, “agora e devido ao multipartidarismo e à liberdade, as pessoas se acham no direito de peidar  em qualquer lugar, outro dia o padre Geraldinho precisou fazer um boletim de ocorrência em desfavor  do senhor Josias Abreu, para que o mesmo não soltasse mais aqueles gazes dentro da igreja. O que  aconteceu também  com  a senhora Lozinha Bemquerer, quando deixara o peido fluir no exato momento em que se confessava.”

Mas algumas pessoas não estão de acordo:

 “Isso é um absurdo, eu sempre sortei meus peido inrriba  da carroça e nunca  tive ninhum pobrema, será que sou um duente e meus peido vão matar argúem que respirá? E se eu sortar um peidim bem baxim que fedê só um tiquim? Assim pode?”– Filomeno Carroceiro.

“Eu tolhida agora no meu direito de soltar peidos? Será que é isso que eu entendi? Seu auditor é melhor o senhor parar de trair sua mulher com Zulmira do Setenta, vá cuidar melhor da sua esposa que mora em Montes Claros e deixa nois soltar os peidos em paz!” – Hermione Lagoa – Dona da Mercearia Cataguazes.

Riso da Hora

No zoológico, um canguru vivia fugindo do cercado. Os tratadores sabiam que ele pulava alto e construíram uma cerca de 3 metros. Não adiantou, porque o canguru sempre fugia. Então, ergueram uma cerca de 6 metros. E ele saiu de novo. Quando a cerca já estava com 12 metros, o camelo do cercado vizinho perguntou ao canguru: – Até que altura você acha que eles vão? O canguru respondeu: – Mais de 300, a menos que alguém tranque o portão à noite.

Fica assim, amanhã tem mais

 

Hesiodo José
Hesiodo José

 

Aviso

  • • Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.
  • • Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *