O diretor do Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis da pasta, Eduardo Macário, complementou informando que a equipe do ministério passou orientações à Secretaria de São Paulo de uma nova forma para alimentar os dados.