PUC MINAS POS-GRADUAÇÃO

Últimas Notícias

Como os processos gerenciais podem ajudar na gestão de vendas na Black Friday

Empresas são criadas para vender produtos ou serviços e, por mais que haja as inegáveis responsabilidades social e ambiental das organizações, é importante que esse princípio esteja claro, porque ele norteia e leva a um ponto crucial: para vender é preciso provocar o desejo de compra, e para alcançar esse objetivo, as empresas usam as mais diversas táticas.

Nos Estados Unidos, uma delas é a liquidação de mercadorias após o Dia de Ação de Graças, que se tornou tradicional durante o século XX, e passou a ser conhecida como Black Friday a partir das décadas de 1980 e 1990, sendo atualmente uma data consolidada e que leva multidões para as lojas.

Para Carla Tieppo, neurocientista da Ilumne Consultoria, empresa especializada em uma forma de pensar o Gerenciamento de Pessoas, Liderança e Alta Performance, que participou da 17ª edição do CONAREC (Congresso Nacional das Relações Empresa-Cliente), “a emocionalidade tem um papel fundamental no processo da tomada de decisão e na jornada da experiência do cliente”. Um dos paradigmas que o cérebro enfrenta, de acordo com a especialista, é justamente relacionado ao desejo e à escolha do consumidor.

Em 2022, especificamente, o evento vem acompanhado pela Copa do Mundo do Catar, e seguido pelas festas de fim de ano. De acordo com dados da ABV (Associação Brasileira do Varejo), essas datas comemorativas devem aumentar as vendas em 12% em comparação ao primeiro semestre de 2022, além de injetarem mais de R$ 20 bilhões na economia.

Já a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) projeta que a Black Friday deve movimentar R$ 6,05 bilhões no comércio eletrônico, com o número de pedidos chegando a 8,3 milhões neste ano.

“Em operações que movimentam alto volume de mercadorias e faturamento, são necessárias estratégias claras aliadas a processos que sejam capazes não só de reter, mas também de ampliar a base de clientes”, analisa Deiah Rodrigues, especialista CBPP (Certified Business Process Professional) da Optimize TI e da Ela Acelera, destacando ainda “que a padronização dos processos e seu uso estratégico, podem auxiliar essa fase do ano, podendo trazer mais tranquilidade para consumidores e vendedores.”

Para a especialista, no mundo BANI (Brittle, Anxious, Nonlinear, Incomprehensible), sigla em Inglês que define a dinâmica de mundo atual, e que em Português significa: frágil, ansioso, não linear e incompreensível, “é comum presenciar a ‘viralização’ de notícias negativas nas redes sociais que podem até mesmo comprometer a continuidade de muitos negócios, sendo importante revisitar processos para que estejam alinhados ou que sejam rapidamente corrigidos.”

“Uma atuação mal executada na Black Friday pode comprometer a reputação da marca, atingindo também as vendas de Natal. Falha na entrega, cancelamentos, problemas no pagamento, vendedores despreparados, estoque insuficiente, negligência na pós-compra, são exemplos que transformarão uma oportunidade em uma ameaça ao negócio. No âmbito estratégico e operacional, recomenda-se que as empresas desenvolvam continuamente a BPM (Business Process Management), que significa Gerenciamento de Processos de Negócios, e que por definição é uma capacidade da organização que utiliza conceitos como mapeamento, padronização, melhoria e otimização de processos, sendo refletidos no relacionamento com o cliente, no comportamento e valorização de seus colaboradores e nas vendas da empresa”, conclui Deiah Rodrigues.