Publicidade FENICS 2108 - RESERVE JÁ,JÁ, SEU STAND!  
Inicio » Adilson Cardoso

Adilson Cardoso

Adilson Cardoso: O poeta é de Montes Claros, mas se considera “natural do mundo”. Ele participa do Salão Nacional de Poesia “Psiu Poético” desde 1991. Escritor, artista plástico, cronista (escreve diariamente para o Jornal Montes Claros)

Coluna do Adilson Cardoso – A Formula de Berg

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – A Formula de Berg Há três dias ele estava no laboratório, para ir ao banheiro, trancava tudo e levava as chaves dependuradas no pescoço, a dedicação era grande para dar o prêmio de Jovens Cientistas ao Segundo Ano B, valia uma viagem internacional para a sala inteira. Também teria a exposição na mídia, e é …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – Eles são Os Incríveis

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – Eles são Os Incríveis Na década de 1960, o movimento da Jovem Guarda eternizou hits, embalou gerações e segue, até hoje, na memória do público.   Pois agora será a hora de reviver este período, com uma das bandas de maior representatividade da época, Os Incríveis. O grupo, que soma mais de meio século de trajetória …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – Bolinhas de gude cintilam no céu ( A Julio Galinheiro)

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – Bolinhas de gude cintilam no céu ( A Julio Galinheiro) Galinheiro  um homem Para alguns  um doido Para outros,  Julio Ele pouco se lixava, Julio, homem, doido, se foda!  Menos Galinheiro Queria contar suas estórias para ele mesmo Falar sozinho interagindo com as suas  Quimeras Ordenava que  a caneca não tilintasse Que as garrafas soltas não se tocassem,  Que  buzinas dos  carros  se …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – O menino e o sonho

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – O menino e o sonho Magricela, olhar  apático e pele escura, pés descalços e  ingenuidade de criança. A idade ninguém sabia, talvez nem  tinha escrito  em  papel, muitos desses perambulam sem  registros. Entrou  na Padaria requintada de clientes nobres. —  Moça, me dá um sonho? A atendente ignorou,  mudando a direção do olhar. — Moça a senhora   pode me  dar  um sonho? Incomodada se aproximou  furiosa. — Pague no …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – Coisas banais

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – Coisas banais Charlene pisava forte na escada, bufava, demonstrando  cansaço, era o ultimo degrau para o terceiro andar. Colocou a mão no peito e olhou para baixo, as  sacolas plásticas dependuradas nas mãos pareciam  ter dobrado de  peso. — Ladrão miserável! A gente paga tanto pra ter que ficar subindo a pé! Ô inferno! Coloque um elevador nessa droga! …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – Segredos de Manicure

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – Segredos de Manicure — Você é casada? – Perguntou a manicure para a cliente. — Sim, sou! Sete anos embaixo do mesmo teto – Falou a cliente esticando a mão direita. — Nossa, já tenho quase isso! – Exclamou a manicure. — Você é feliz? — Muito! Meu marido é um cara exemplar, não bebe, …

Leia Mais »

13ª Festival de Cinema de Ouro Preto Celebra Trajetória da Atriz MARIA GLADYS

Atriz MARIA GLADYS

13ª Festival de Cinema de Ouro Preto  Celebra Trajetória da Atriz MARIA GLADYS Emoção e lágrimas marcaram a homenagem a Maria Gladys na cerimônia de abertura da 13ª Mostra de Cinema de Ouro Preto, na noite de quinta-feira (14/6). A atriz carioca recebeu o Troféu Vila Rica em tributo a seus quase 60 anos de carreira no teatro, cinema e televisão. Ao lado de …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – O nome de quê?

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – O nome de quê? Pablo estava sentado em frente ao computador. Tinha trinta minutos para justificar a sua admissão, era uma Empresa de Cosméticos. Desempregado há dois anos recebia a primeira oportunidade após sair da cadeia por porte de drogas. Mas o branco era terrível na mente,  Bocejava, soletrava uma palavra em inglês que estava do …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – O conto seguinte

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – O conto seguinte Gemidos ecoavam das fendas que se  abriram  no chão da cozinha.  Pelas rachaduras do teto  era possível ver a  lua cheia se apagando no céu. Pessoas já falecidas faziam o jogo dos copos, chamavam  espíritos na mesa do café. Guido seu  amigo assassinado há poucos dias,  tinha um buraco na cabeça  onde se expunham  miiases, ele batia palmas com uma mão sem …

Leia Mais »

Entrevista expositora do painel de Poesias Juca Silva Neto

Rita de Cassia

Entrevista expositora do painel de Poesias Juca Silva Neto Adilson Cardoso e um papo Poesia com Rita de Cassia É no mês de agosto, Que temos grande festejo Olho com muito gosto, Nosso lindo cortejo! (Rita de Cassia)     O saudoso Jornalista e Teatrólogo Reginauro Silva, dissera em dia inspirado que  Montes Claros é a cidade da Arte e …

Leia Mais »